Hissa reassume presidência do PDT no Amazonas

By -
Dep. Hissa Abrahão

Dep. Hissa Abrahão

O deputado federal Hissa Abrahão reassumiu a presidência estadual do Partido Democrático Trabalhista (PDT). A decisão foi anunciada pela direção nacional da sigla, em Brasília (DF), na tarde desta quarta-feira (23).
O parlamentar amazonense havia sido afastado do comando do partido no Amazonas, em abril deste ano, logo após a votação do relatório do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Ontem, ele foi empossado ao cargo novamente.

“Após passarmos por todas as turbulências, os problemas internos, nós estamos caminhando para um novo momento dentro do PDT.
Trouxemos pessoas de respeito e ilibadas, como o professor Ademir Ramos, e também o presidente do Crea-AM, Cláudio Guenka, entre tantos outros nomes, para colocar a ordem na casa, nesse processo de reorganização interna”, disse.

Hissa Abrahão informou que a vice-presidência do PDT ficará com o deputado estadual Adjuto Afonso. Já o ex-presidente, Stones Machado, assumirá a segunda vice-presidência estadual. “Nós vamos fazer um partido cada vez mais atuante, organizando e criando os núcleos de base na capital e no interior do Amazonas”.

hissa-presidencia-pdt-am-2POSIÇÃO – Segundo o novo secretário-geral do PDT, o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-AM), Cláudio Guenka, o partido precisa atuar de forma mais enérgica e marcar posição no Amazonas, como fez o senador falecido Jefferson Peres. “O Estado precisa ser representado a altura, de forma organizada, como atuou o senador Jefferson Peres. Vamos trabalhar nomes dentro do partido para as esferas municipal, estadual e federal, com pessoas de credibilidade, de todas as áreas da sociedade. Precisamos renovar esse cenário político com novos nomes, e com o auxílio das pessoas de experiência do partido, de raízes pedetistas”, comentou.

Para o antropólogo Ademir Ramos, a entrada no partido pedetista é uma forma de se reinventar na política. Ademir assumirá no Estado a direção da Fundação de Estudos Políticos, Econômicos e Sociais Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP). “A minha participação no PDT é uma forma de me reinventar junto do partido. Ajudei a fundar o Partido dos Trabalhadores (PT), participei ativamente daquele partido, mas me decepcionei com o rumo que ele tomou. Fui para outro partido e depois decidi me afastar da política. Contudo, vou voltar a militar e fazer a prática orgânica do partido. Resgatar a dignidade da política. Assumirei a fundação, que vai ser uma ponte entre a sociedade e os movimentos de luta”, destacou o professor.

ELEIÇÃO – Nas eleições municipais de 2016 no Estado, o PDT conquistou três prefeituras, fez dois vice-prefeitos e 22 vereadores.

Roberto Brasil