Empresas tem que se adequar às normas de segurança em altura

By -

altura-risco-trabalho

Os acidentes de trabalho custam ao Brasil, segundo dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), um valor aproximado de R$ 71 bilhões por ano, o que representa cerca de 9% da folha salarial anual dos trabalhadores do setor formal no país, que é de R$ 800 bilhões. O setor de construção civil é o recordista no número de mortes por acidentes de trabalho e, muitas delas, num tipo de atividade onde qualquer falha nas normas de segurança é fatal, o trabalho em altura. No sentido de mudar esse quadro, o Ministério do Trabalho e Emprego fechou mais ainda o cerco às empresas que não cumprem as normas de segurança. Além das Normas Regulamentadoras (NRs) que já existiam (6,7,9 e 18), decidiu criar, no ano passado, a Norma Regulamentadora nº 35, Lei específica para normatizar o trabalho em altura. O prazo para adequação das empresas a essas normas já é em março deste ano. O não cumprimento das regras vai impor aos empresários a paralisação dos serviços e multas que podem atingir valores de até R$ 100 mil.  

No sentido de levar aos empresários de Manaus o conteúdo da recém criada Norma Regulamentadora 35 e como se adequarem às normas de segurança do trabalho em altura, está sendo realizado, na tarde desta quinta-feira (24), no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), o 1º Workshop de Segurança em Altura, realizado por empresas do setor, como Altiseg Segurança em Altura, FM Alpinismo Industrial, com apoio do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon/AM) e da Fieam. Faz parte da programação, palestrante da Superintendência Regional do Trabalho: “Norma Regulamentadora 35”, palestrante da FM Alpinismo Industrial: “Trabalho em Altura e Capacitação de Profissionais”, e palestrante da Altiseg Segurança em Altura: “Equipamentos para Trabalhos em Altura-Qualidade, Certificações e Manutenção”.

As empresas vão distribuir material informativo sobre segurança no trabalho em alturas, inclusive uma cartilha ilustrada com o teor da NR 35. A participação no workshop é gratuita. Maiores informações pelos telefones: 3664-2999 e 3664-3258.

Profissionais falam da responsabilidade

E para quem acha que é algo simples, mero cumprimento de regras, para garantir a segurança nas alturas, o nível de formação dos profissionais dessa área, que estarão no Workshop, já mostra a complexidade do assunto. Edvaldo Oscar Batista Salomão trabalhou, durante 30 anos, na Força Aérea Brasileira, atividade de salvamento e resgate, e traz em seu currículo 20 missões de resgate em acidentes com aviões e helicópteros e missões de resgate em enchentes ocorridas em outros Estados, e até outros países. Já Arthur Jorge da Silva Freitas é turismólogo e alpinista há 20 anos, tendo participado, inclusive, de projetos federais.

“É só analisar os acidentes que vai ficar visível que sempre estão incluídos 3 fatores, utilização incorreta do EPI (Equipamento de Proteção Individual), falta de capacitação e falta de supervisão, onde o próprio técnico de segurança do trabalho da empresa,muitas vezes, nem conhece o equipamento, e por isso, não supervisiona se o trabalhador está utilizando corretamente”, comentam os instrutores.

Redação