Vereadores querem definição sobre Suframa e protestam contra suspensão das obras na BR-319

By -

vereadores-plenario-cmm-01A definição do novo superintendente da Suframa e o embargo das obras da BR-319 (Manaus-Boa Vista) polarizaram as discussões dos vereadores, nesta segunda-feira (19), na Câmara Municipal de Manaus (CMM). Os parlamentares aproveitaram para cobrar do governo federal a nomeação do dirigente para o órgão e relacionar essa indefinição ao descaso do governo para com a Zona Franca de Manaus (ZFM).

Outro exemplo desse descaso, segundo os vereadores, é a suspensão das obras da BR-319 pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), em função da multa aplicada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Para o vereador Plínio Valério (PSDB), o DNIT fazia apenas a manutenção em 405 quilômetros da estrada. “Tem que haver respeito. Estamos sempre de pires na mão pedindo migalhas. Não devemos nada ao governo federal, ele que nos deve, por vigiarmos as quatro fronteiras do Brasil, protegidas pelos caboclos do Amazonas”, afirmou.

Joelson Silva (PHS) concorda com Plínio. “A ZFM é o parque industrial que mais desempregou. Precisa ser olhado com carinho pelo Governo Federal”, disse ele, elogiando o discurso do vereador.

O vereador Mário Frota (PSDB) endossou os pronunciamentos. De acordo com ele, por causa desse descaso, ZFM vai perdendo empresas, como o caso da Nokia/Microsoft, que vai para São Paulo, e agora a Heineken, que está fechando as portas e se mudando de Manaus.

Vereador Luís Mitoso (PSB) acha que é preciso fazer com que a voz dos vereadores em defesa da Zona Franca de Manaus chegue em Brasília (DF). “Se não falarmos sobre a ZFM e sobre o embargo a BR-319 nada vai mudar”, disse ele, criticando o fato do Ibama ter aplicado R$ 7,5 milhões de multa ao DNIT sob a argumentação de que a obra na BR-319 era nova. “Como se estivessem rasgando a floresta 19 anos depois inacabada. O DNIT faz apenas a manutenção”, disse ele, que quer trazer o superintendente do DNIT, José Fábio Porto Galvão para falar aos vereadores sobre a real situação da estrada.

Parlamentares, como o presidente da Casa, Wilker Barreto (PHS), querem saber a quem interessa o isolamento do Amazonas, até porque, como explicou, com a recuperação da BR-319, o custo de vida baixaria alguns percentuais para a população amazonense.

Para o vereador Roberto Sabino (PROS) essa é uma pergunta que não quer calar. “A quem interessa o isolamento do Amazonas?”, questionou.

Arlindo Júnior (PROS) disse que não dá para entender o que o Ibama está fazendo com o DNIT, ao aplicar uma multa exorbitante ao órgão. E Professor Samuel (PHS) acredita que temas nacionais importantes para Manaus devem ser discutidos na Câmara. Para ele, esses assuntos devem vir à tona, porque afetam de qualquer forma a vida da população.

Roberto Brasil