Vereador de Coari é preso por estelionato

By -
O proprietário da locadora entregou o automóvel a Iran Medeiros, mas nunca chegou a receber o dinheiro combinado

O proprietário da locadora entregou o automóvel a Iran Medeiros, mas nunca chegou a receber o dinheiro combinado

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe de investigação da Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (DECP), sob a coordenação do delegado titular em exercício, Thyago Tenório, prendeu no início da tarde desta quarta-feira, dia 18, por volta de meio-dia, o vereador Iranilson da Silva Medeiros, 50, o “Iran Medeiros”, envolvido em estelionato.

De acordo com a autoridade policial, a prisão ocorreu na Avenida Constantino Nery, bairro Chapada, zona Centro-Sul, em cumprimento a mandado expedido no dia 30 de março deste ano, pela juíza da 4ª Vara Criminal, Margareth Rose Cruz Hoagen.

Thyago Tenório explicou que a vítima, um homem de 40 anos, proprietário de uma locadora de veículos localizada na Rua Santa Cecília, primeira etapa do bairro Cidade Nova, zona Norte, compareceu à Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículos (Derfv) em dezembro de 2005 para informar que em maio do referido ano havia vendido um veículo ao vereador em questão e não havia recebido o pagamento acordado entre eles.

“A vítima informou que alugou um carro modelo Tempra de placas JWG-7781 para Iranilson em maio de 2005 e que o infrator, na época,  ofereceu proposta de compra do veículo. O valor acordado foi de R$ 6 mil a ser pago em 30 dias e o carro seria levado ao município de Coari, distante 363 quilômetros em linha reta da capital. O proprietário da locadora entregou as chaves e todos os documentos do automóvel ao vereador, mas nunca chegou a receber o dinheiro combinado”, explicou Tenório.

Conforme o delegado, existe um processo tramitando na Justiça em virtude desse fato e, levando em consideração o fato de que o vereador não foi encontrado no endereço informado como sendo da residência dele para responder aos atos processuais, foi decretada a prisão preventiva de Iranilson.

“Nos autos do documento o vereador nega a autoria do crime e alega que a venda do veículo ocorreu entre a vítima e uma testemunha do processo. Em depoimento, o vereador afirmou que essa testemunha teria levado o carro para o município de Tabatinga, o teria revendido por R$ 8 mil e repassado R$ 2 mil ao proprietário da locadora. A cópia do contrato de compra e venda entre a vítima e a testemunha foi anexada ao processo”, declarou Thyago Tenório.

Iranilson foi indiciado por estelionato. Ao término dos procedimentos cabíveis ele será encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

Roberto Brasil