Vereador de Coari é considerado foragido da Justiça por crime de estelionato

By -

Segundo delegado, vereador chegou a ameaçá-lo caso ele divulgasse o caso à imprensa (Foto: Divulgação)

O vereador Aldervan Souza Cordovil (PTB), conhecido como “Dr. Adeva”, do município de Coari (a 363 quilômetros de Manaus), é considerado foragido da Justiça desde ontem, segunda-feira (27). O parlamentar teve a prisão preventiva decretada pela Justiça de Coari após apresentar, na condição de advogado, um comprovante de pagamento de fiança falsificado, no valor de R$ 17,6 mil, em 2016.

O falso comprovante foi usado em favor do então vereador Márcio Almeida, que estava preso sob a suspeita de receptar uma motocicleta roubada.

O parlamentar chegou a ameaçar o titular da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, delegado Mauro Duarte, de que se o caso fosse revelado à imprensa iria revelar um dossiê contendo imagens e vídeos contra o delegado.

De acordo com o delegado, Dr. Adeva atuou como advogado do então vereador Marcio Almeida em 05 de agosto de 2016, preso em flagrante por receptar uma motocicleta roubada, encontrada em seu sítio.

“A fraude da fiança foi descoberta após o auto de prisão em flagrante de Márcio não ser homologada pela Justiça de Coari, e por conseqüência ele ter a prisão relaxada. E aí um outro advogado que acompanhava o caso – Dr. Jalil – solicitou a devolução da fiança que supostamente teria sido paga. Ocorre que tanto o Banco do Brasil quanto na SEFAZ/AM informaram, por meio de documento ao Dr. Jalil, que o valor valor não havia sido recolhido, e o fato foi então registrado aqui na delegacia, pois fomos vítimas diretas”, contou o delegado.

O fato foi relatado no Inquérito Policial nº 120/2016, concluído em 23 de fevereiro de 2017. No mesmo dia, o delegado Mauro estava viajando para Manaus, quando recebeu ligações e mensagens de texto do vereador Dr. Adeva, que passou a lhe ameaçar. “Fica vergonhoso tudo isso para ele, que é um homem público. E diante disso ele foi acusado, além de estelionato, de coação no curso do processo, já que ameaçou uma autoridade policial”, avaliou o delegado.

Político reincidente

Durante a investigação contra o vereador Dr. Adeva foram descobertos na semana passada outros dois inquéritos policiais em que o político forjou dois comprovantes de pagamento de fiança, sendo uma no valor de R$ 3,5 mil e outro de R$ 1,7 mil, em inquéritos independentes.

“Foi então que apresentamos o pedido de prisão preventiva que foi deferida (autorizada) pela Justiça de Coari. E hoje iniciamos as buscas pela casa dele, onde nos informaram que ele estaria no hospital providenciando a transferência de um parente doente para Manaus, mas lá ele também não estava. De lá seguimos para a Câmara Municipal de Coari, onde ele também não estava. Fixei então o prazo para que ele se apresentasse voluntariamente na delegacia até às 10h30, o que não ocorreu. Agora ele é um foragido. Caso seja preso, ficará mais difícil quebrar a prisão preventiva”, concluiu Duarte.

O vereador Dr. Adeva, foragido da justiça, foi procurado pela reportagem, no telefone 991xxxx52, mas não atendeu as ligações e nem respondeu as mensagens via WhatsApp. O presidente da Câmara Municipal de Coari, vereador Keitton Pinheiro (PTB), foi questionado pela reportagem se irá instaurar um processo disciplinar para investigar a conduta do vereador Adeva, mas não atendeu as ligações nos telefones 992xxxx22 e 984xxxx86. Pelo WhatsApp, o parlamentar declarou: “Preciso tomar ciência dos fatos. Estou indo para Coari amanhã por isso”, respondeu, sem detalhar aonde se encontrava.

Resposta da CMC

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMC), vereador Keitton Pinheiro, informou que vai ser reunir com a Procuradoria do município para apurar os fatos.

“Estou retornando para Coari e vou me reunir com toda a Procuradoria, para conhecer como está toda a situação. Quero ver os procedimentos, conforme o regimento interno, para agir da melhor forma possível”, disse o vereador, afirmando que a CMC está à disposição de esclarecimentos.

Roberto Brasil