Vereador critica Márcia Baranda e sofre ameaça em Parintins

By -
IMG-20150922-WA0131_resized
De Parintins – A sessão de terça-feira, 22 de setembro,  no Poder Legislativo Parintinense transcorria na maior normalidade, pra quem está se acostumando com as baixarias levadas à tribuna. Os vereadores do grupo de Braga denunciando o prefeito Alexandre da Carbrás (PSD). O vereador Cabeça (PMDB) voltando a chamar o prefeito de ladrão e tudo. Cabeça voltou a acusar a Secretária de Educação Eliane Melo de estar desviando dinheiro daquela secretaria e tudo mais.
IMG-20150922-WA0166_resized
Eis que   o vereador Carlos Augusto das Neves (PSD) no revide começa dizendo que a gestão do prefeito Alexandre está incomodando a oposição. E em seguida detonou a pré-candidata Márcia Baranda, irmã  do vereador Cabeça. Utilizando de um processo que Márcia responde no Tribunal de Contas do Estado, Carlos Augusto disse  que a irmã de Cabeça roubou o Caprichoso e que está devendo até hoje. Citou que o Supermercado é fruto desses desvios no Caprichoso e disse que o Supermercado é chamado de  “Ninguém gosta mais desse boi do que eu”.
Tudo na “normalidade” de sempre. Mas então no final da sessão o presidente em exercício Nelson Campos PRTB comunica ao vereador Carlos Augusto para não sair do plenário, pois o vereador Cabeça ligou para anunciar que o empresário João Pedro Baranda, esposo de Márcia, estava na frente da “Casa do Povo” e armado.
Foi um Deus nos acuda. Em poucos minutos na frente da Câmara de Parintins estava repleto de carros da família Baranda e Medeiros que são primos e apoiadores de Márcia.
Na confusão o filho  de Cabeça, Neto Cardoso, foi até Carlos Augusto e na bancada conversou sobre o caso. Carlos Augusto e Cabeça já foram cunhados, mas isso agora não vem ao caso.
A Polícia Militar foi acionada para garantir a integridade física de Carlos Augusto. Enquanto do lado de fora a baixaria rolava solto. Filho disso, filho daquilo, ladrão disso, ladrão daquilo e outras palavras impublicavéis eram proferidas.
Como uma espécie de “babás” intermediários os vereadores Mateus Assayag (PSDB) e Juliano Petro Velho (PDT) a todo momento tentavam acalmar os ânimos das “crianças brigonas”. Ambos acenaram para Carlos Augusto sair. Mas quando o vereador do PSD queria ultrapassar os portões do Legislativo estava de prontidão a “tropa” de Barandas e Medeiros.
O prefeito em exercício Everaldo Batista (PROS) foi acionado. Chegou por volta das 18h30min. Foi montado um esquema de cinema, com direito a “cantada de pneu” e a polícia escoltando. Enfim, Carlos Augusto saiu do Legislativo. Antes da saída, porém, a polícia revistou o carro do empresário João Pedro Baranda.
Fora do Legislativo houve ainda bate boca entre o vereador Rai Cardoso e o chefe de gabinete da presidência da Câmara, Fran Santos. No bate boca, Fran foi na “porrada” com Flávio Cardoso que é outro irmão de Márcia.
Após o episódio os populares opnaram sobre o caso. A maioria condenou a ida de João Pedro e familiares até a Câmara para intimidar os membros do Parlamento. Outros populares lembraram que o vereador Cabeça, irmão de Márcia, é contumaz na prática de taxar as pessoas de ladronas, bandidas, isso e aquilo. A poucos meses atrás o mesmo Cabeça denunciou haver sido ameaçado por Gelson Azedo. Motivo, criticou Joilto Azedo, atual presidente do Caprichoso. Vereadores ouvidos pela reportagem avaliaram que a atitude dos Barandas e Medeiros foi um “tiro no pé” da pré-candidatura de Márcia Baranda a prefeita. Ela até então vinha surfando em cima do outro peemedebista Messias Cursino.
Para eles, tal atitude gerou um fator ruim para a imagem de Márcia.
No final do tumulto o vereador Maildson Fonseca (PSDB), aliado do deputado Bi Garcia, “lamentou” não ter visto o “pau quebrar”, pois já tinha saído da Câmara.
A vereadora Vanessa Gonçalves (PROS) foi a última a deixar a Câmara. Não quis comentar sobre o ocorrido, mas disse não ser de baixaria.
O vereador Rai Cardoso, o Cabeça, negou que João Pedro foi a Câmara para intimidar e agredir o vereador. O vereador Carlos Augusto das Neves foi à polícia denunciar a ação e tratou como uma tentativa de homicídio. Nesta quarta-feira às 10h da manhã haverá coletiva de imprensa para tratar do tema e as medidas que a Mesa Diretora vai tomar sobre o caso.//(Hudson Lima)

 

 

Mario Dantas