Venceu o câncer e entrou no tatame

By -
Levy encontrou no pai Orlando incentivo para encarar cada dia como um desafio a ser vencido

Levy encontrou no pai Orlando incentivo para encarar cada dia como um desafio a ser vencido

“Voltar a lutar já é a maior vitória da minha vida”. É com essa frase que o estudante Levy Santana, de 14 anos, define sua participação na Copa Alfa Alvorada de Jiu-Jítsu. O evento acontece neste domingo, 31 de julho, a partir das 9h, na quadra da Escola Nossa Senhora de Fátima – rua 12, número 230, Alvorada 2, Zona Centro-Oeste de Manaus. Mais de 350 atletas são esperados na competição. 

Filho do faixa preta Orlando Santana Júnior líder da academia Alfa do Alvorada 2, Levy sofreu um acidente doméstico quando tinha cinco anos de idade. A trágica queda da laje deixou o menino desacordado durante dois dias. Ele sobreviveu, mas o quadro evoluiu posteriormente para um câncer na boca.

“Ele tinha inchaços e dores na boca. Era um câncer na arcada dentária e ele passou um ano fazendo tratamento até a recuperação total. Hoje graças a Deus está com plena saúde, vestindo o quimono e participando das competições estaduais e nacionais. É um grande campeão no esporte e na vida”, conta o emocionado pai, que fez a promessa de parar de lutar MMA caso o filho se recuperasse.

A fé que tirou Orlando dos octógonos em 2009 foi canalizada para a formação de grandes campeões no esporte.  Atualmente, a Alfa é uma referência na formação de lutadores de MMA de alto nível.

Com a saúde em dia, o pequeno guerreiro Levy é um dos melhores faixas verdes do Amazonas na categoria leve. Ele concilia os treinamentos da “arte suave” com as lições na Escola Estadual Francelina Dantas. O garoto que foi desenganado pelos médicos que diziam que ele perderia os dentes e que os mesmos não voltariam a crescer, hoje exibe seu sorriso metálico feliz da vida com a coleção de medalhas conquistadas nos campeonatos.

No domingo, Levy entra novamente no tatame para mostrar seu talento no jiu-jítsu. Os atletas de sua categoria devem lutar por volta das 10h.

“Eu me sinto um campeão só em voltar a lutar, com saúde, estudando e ganhando vários campeonatos e conhecendo várias pessoas. Além do meu pai, meus ídolos são meus próprios companheiros da Alfa”, conclui o menino medalha de ouro em superação.

Roberto Brasil