Usuários de ônibus reclamam da falta de abrigos e a má conservação dos que existem

By -

Toda a cidade são mais de 4 mil pontos de ônibus, mas boa parte deles estão em péssimas condições (Foto: Antônio Lima)

Paradas sem abrigo, sem iluminação e muitas vezes até improvisadas na beira da estrada. Os problemas com os pontos de ônibus em toda a cidade são tantos que deixam a população incomodada. São mais de 4,2 mil pontos espalhados pela capital, mas basta passar em algumas ruas principais para verificar a situação de abandono em que muitas deles se encontraram. Para os usuários, a precaridade da prestação do serviço começa logo ao sair de casa. 

Na avenida Torquato Tapajós, uma das principais avenidas de Manaus, próximo a entrada do bairro Parque São Pedro, na Zona Oeste, as pessoas aguardam o transporte coletivo  para vários bairros como o Santa Etelvina. Mas a dificuldade é que essa espera muitas vezes acontece em paradas que não possuem abrigos. Assim, o jeito é aguardar o ônibus para casa seja embaixo de chuva ou debaixo de um sol escaldante.

O montador Elielson Souza, 35, reclama desse problema. “É muito ruim porque não temos como nos proteger. Passamos horas esperando o ônibus aqui no sol ou na chuva”, lamenta ele, que mora na Zona Leste e todos os dias faz esse trajeto, devido o trabalho.

A aposentada Gesilda Bastos da Silva, 74, também não concorda com a inexistência de coberturas para os usuários. “Eu acho que é falta de sabedoria dos administradores da cidade. Desrespeito com o idoso, com os deficientes, com a população em geral”, criticou ela.

No bairro Parque São Pedro, o problema se repete. Na avenida Dona Otilia, a principal do bairro, usuários do transporte coletivo esperam pelo coletivo sem qualquer proteção. Além da falta de cobertura, a rua possui várias poças de lama devido os buracos ao longo da via. “Essa parada nunca teve cobertura. Agora a gente paga uma passagem de R$ 3,80 que não condiz que o serviço que temos na prática”, afirmou o operador de empilhadeira Natanael Carvalho, 40.

E os problemas se multiplicam em outras zonas da cidade. Só na estrada do Puraquequara, na Zona Leste, pelo menos 15 paradas de ônibus  possuem apenas a sinalização indicando onde os veículos devem parar. Abrigos mesmo, são poucos e há até os que são improvisados com cobertura de metal e fibra.

Mais a frente, na comunidade Bela Vista, a falta de proteção para os usuários se repete. Na avenida Colantino Aleixo, das quatro paradas encontradas ao longo da via, apenas uma possui cobertura. No entanto, o local está deteriorado, com telhas quebras, mato e lixo cercando o espaço  e com um assento improvisado pelos próprios moradores do local. “Quando chove isso aqui fica horrível. Não temos onde nos abrigar. De todas as paradas de ônibus que têm aqui, essa é a única que tem cobertura e está desse jeito”, denuncia o autônomo Raimundo Rodrigues, 43.

SMTU levanta situação das paradas

O técnico em enfermagem Mauro da Fé Protázio, 35, também reclama da segurança nas paradas. Como elas ficam isoladas e muitas delas estão sem iluminação, os usuários viram alvos fáceis para criminosos. “Os casos de assaltos nas paradas e até mesmo dentro dos ônibus estão ficando cada vez mais comuns. A gente fica com medo, mas precisamos pegar ônibus por necessidade”, disse ele.  Segundo ele, a situação da via, que está cheia de buracos, também é preocupante. “Aqui passam muitos carros e veículos pesados, como carretas. Esse asfalto que tem aqui não suporta esse peso e corre o risco de acontecer um acidente por causa de toda essa buraqueira. Até para os ônibus está difícil passar”, afirmou.

De acordo com a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) ao todo, Manaus possui 4.209 pontos de paradas, mas não especificou quantas deles não possuem abrigos. Atualmente, segundo a superintendência, está  sendo realizado um levantamento para identificar quais são as necessidades e a partir daí realizar um cronograma para definir datas para manutenção desses abrigos e a instalação de novos na cidade.  Ano passado, a prefeitura prometeu reformar 500 pontos de ônibus em toda a cidade, mesmo assim, ainda existem diversas paradas sem qualquer tipo de manutenção.///PORTAL A CRÍTICA

Roberto Brasil