UMA CANTADA ERUDITA

By -

felix-valois-blogdafloresta_logoO senhor Travassos era versado em língua portuguesa, aluno que fora e amigo que era do professor Antônio da Encarnação, ilustre mestre das escolas públicas amazonenses.

Nascido em Portugal e para aqui vindo já depois da adolescência, o professor Encarnação mantinha um forte sotaque lusitano que ele fazia questão de acentuar, compondo-lhe a respeitável figura rotunda tanto quanto o inevitável charuto que ele não largava nem em sala de aula. (Naquele tempo ainda não havia surgido a horda dos tabachatos, com seu terrorismo verbal e fotográfico, a transformar o cigarro e congêneres na peste negra do século).

Era implacável o professor na exigência de que seus familiares e alunos observassem os cânones do vernáculo. Iniciar uma frase com pronome pessoal do caso oblíquo, por exemplo, era o mesmo que proferir uma ofensa impublicável, levando o mestre às raias do desespero.

Almoçava um domingo o Sr. Travassos na casa do professor Encarnação quando assistiu ao seguinte diálogo entre dois filhos do mestre:

Me dá a farinha.

                        — Não ta dou.

–E por que não ma dás?

                        — Porque não ma soubeste pedir.

                        A um ex-aluno, (no caso, eu próprio, que tive a honra e o privilégio de lhe assistir às aulas) que encontrou com a filhinha de três meses no colo, o professor Encarnação perguntou com a maior naturalidade:

É virago?

Uns cinco segundos se passaram até que o então jovem se desse conta (caísse a ficha, na linguagem modernosa) de que, vindo de quem vinha a pergunta, significava querer saber se a criança era do sexo feminino, para então responder respeitosamente:

É, sim, professor.

                        Conta-se que em certa noite do mês de agosto, quando o calor de Manaus mostrava toda a sua exuberância, o professor Encarnação terminara a obrigação diária na Escola Técnica de Comércio Solon de Lucena, então funcionando no início da Avenida Sete de Setembro, próximo à praça da Prefeitura, no mesmo prédio onde os augustos legisladores municipais já velaramm superiormente pela ordem jurídica da cidade.

(Diga-se de passagem e em abono da memória do professor que antes dele toda Manaus só conhecia aquela escola como Solón de Lucena, mas a coletividade teve que ceder à cruzada por ele empreendida contra a “deturpação do nome do legislador grego”).

Mas, dizia eu, o professor Encarnação vinha caminhando calmamente pela avenida, entrou no Bar Americano para tomar uma cerveja e seguiu seu trajeto para casa.

Na altura do Colégio Estadual, eis que se lhe depara uma jovem caboclinha, cujos trajes denotavam integrar ela a categoria que a juventude de então, galhofa e preconceituosamente, chamava de chofer de fogão.

Dirige-lhe a palavra o eminente mestre:

Aonde ides, bela pirralha?

                        Na péssima iluminação da rua, a moça ouviu aquela voz tonitruante, com um linguajar no mínimo estranho, e só conseguia divisar a brasa do charuto. Era, com certeza, alguma assombração. Dispôs-se a correr.

Alteando a voz, o professor Encarnação conclamou:

— Não corrais, não corrais.

Foi a gota d’água.

Com medo ou sem medo, a caboclinha entendeu que o atrevimento tinha passado dos limites, mesmo que se tratasse do próprio satanás em pessoa.

Voltando-se e de dedo em riste, a nossa jovem conterrânea disparou, com a maior força de que dispunha:

No curral tá a tua mãe, seu velho.

Corrida dela e passo cadenciado do mestre separaram os personagens e puseram fim a uma inocente e erudita paquera.

Roberto Brasil