Última reunião do Codam do ano avalia amanhã novos investimentos no valor de R$ 822 milhões

By -

Projetos para a produção de laticínios e carne processada nas cidades de Manicoré e Rio Preto da Eva estimados em, aproximadamente, R$ 3 milhões são os destaques da pauta da 171ª reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam) que será realizada nesta quarta-feira (20/12), às 10h, no auditório da Federação da Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), na avenida Joaquim Nabuco, Nº. 1919, no centro de Manaus.

No total, será apreciada pelos conselheiros uma pauta que relaciona 38 projetos industriais com investimentos de R$ 822 milhões e geração de 1.133 vagas no mercado de trabalho em até três anos.

A sexta e última reunião do Codam em 2017 também tem como destaques os projetos da Jabil Industrial do Brasil para a fabricação de condicionadores de ar com recursos de R$ 108 milhões e da Mega Pack Plásticos para a produção de resina termoplástica e peças moldadas com investimentos de R$ 55 milhões. A OX da Amazônia submete aos conselheiros, projeto para a fabricação de roda e aro para bicicletas ao custo de R$ 3 milhões.

Repetindo uma tendência de reuniões anteriores o Codam vai avaliar projetos voltados para as cidades do interior do Estado. Em Rio Preto da Eva, a 57 quilômetros de Manaus, em linha reta, a Frigodelly Indústria e Comércio pretende produzir charque bovino com recursos de R$ 815 mil, e a Matupi Laticínios espera fabricar em Manicoré, a 332 quilômetros da capital, em linha reta, manteiga, doce de leite e queijo, investindo R$ 2 milhões. As duas empresas prometem criar em torno de 60 empregos.

Dos 38 projetos incluídos na pauta do Codam, 13 são de implantação (novos empreendimentos) e 22 de diversificação. Desses, 16 são de bens intermediários (componentes) e 22 de bens finais.

Balanço – A penúltima reunião do Codam foi realizada em novembro deste ano, na qual foram aprovados 28 projetos. Os destaques foram os projetos industriais voltados para as cidades do interior, como o de beneficiamento de peixe em Manacapuru, a 68 quilômetros de Manaus, em linha reta, da Agropecuária Exata, a qual se compromete a beneficiar peixe com recursos de R$ 2 milhões.

Em Tonantins, a 865 quilômetros da capital, a Indústria e Comércio de Pescado aprovou projeto para processar peixe com investimentos de R$ 3 milhões. As duas empresas prometem gerar cerca de 50 empregos.

O Codam é a instância do Governo responsável pela política de incentivos fiscais do Amazonas. O Conselho é formado por 18 representantes de setores produtivos e de fomento, órgãos da rede estadual e federal e entidades de classe como a Secretaria de Estado da Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM), a Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab), a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam), e Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam), Federação do Comércio (Fecomércio), a Fieam e um representante da Prefeitura de Manaus também compõem o Conselho.

Roberto Brasil