Três municípios do AM vão ter eleições para prefeito em novembro, diz TRE

By -

Moradores de Apuí, Novo Airão e Novo Aripuanã vão precisar escolher novos prefeitos ainda em 2017. Por determinação da Justiça Eleitoral, os chefes municipais das localidade, eleitos em 2016, não poderão mais exercer o cargo, pois foram condenados pela Lei da Ficha Limpa. A previsão é que os pleitos ocorram a partir de novembro.

A eleições para prefeito nas cidades deve ocorrer três meses após a escolha para governador do Amazonas. Por conta disso, as urnas para os municípios devem ser levadas ainda esse mês, segundo o diretor do TRE-AM, Messias Andrade.

“O que nós estamos fazendo por questão de economia é mandando um número dobrado de urnas para que ocorra a eleição suplementar para governador e, a partir de novembro, ocorra a eleição suplementar para prefeito em cada município, sem que haja comprometimento dos dados”, disse.

Wilton Pereira dos Santos (PSDB), que foi eleito prefeito de Novo Airão, foi condenado pela Justiça Federal por improbidade administrativa em 2011 em irregularidades de aplicação de recursos federais. O registro de candidatura de Wilton Pereira foi barrado com base na Lei da Ficha Limpa e Lei Complementar nº 64/1990.

Já em Novo Aripuanã, o prefeito eleito Aminadab Meira Santana (PSD) foi condenado por ato doloso de improbidade administrativa em julgamentos proferidos pelo TCE, que os deixaram inelegível por oito anos.

Em Apuí, o candidato eleito para prefeito do município Antônio Roque Longo (DEM) teve as contas desaprovadas pelo Legislativo Municipal por irregularidades de natureza insanável. A decisão o deixa inelegível por oito anos.

Eleição para governo

Em 6 de agosto, o TRE fará eleição para a escolha de governador do Amazonas. No dia 17, a corte dara início à preparação das urnas eletrônicas, que serão enviadas para os principais municípios do interior do estado a partir do dia 20 de julho. A eleição foi determinado após a cassação dos mandatos do ex-governador, José Melo, e do vice, Henrique Oliveira, por compra de votos nas eleições de 2014. A eleição está prevista para ocorrer no dia 6 de agosto.

A eleição para governo chegou a ser suspensa. Um recurso de Oliveira, apresentado em 16 de maio, foi deferido pelo ministro Ricardo Levandowski em 28 de junho. O ministro tinha determinado a suspensão da eleição direta por meio de liminar. A decisão foi derrubada em 6 de julho pelo ministro Celso de Mello e o pleito foi mantido.

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), David Almeida (PSD) assumiu o comando do governo do estado até a realização da nova eleição.

(Com G1)

Roberto Brasil