TRE adia mais uma vez julgamento sobre Coari

By -
Essa atitude protelatória só beneficia o  grupo que vem saqueando os cofres do município”, declarou o deputado Luiz Castro

“Essa atitude protelatória só beneficia o grupo que vem saqueando os cofres do município”, declarou o deputado Luiz Castro

Mais um pedido de vistas adiou pela quarta vez o julgamento da liminar que impede a posse de Raimundo Magalhães, como prefeito do município de Coari. Na sessão de ontem (13), do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o juiz Marco Antônio Pinto pediu vistas afirmando não ter conhecimento dos autos do processo.

O pedido foi feito após os votos favoráveis à suspensão da posse, emitidos pelos juízes Délcio Santos e Affimar Cabo Verde. O juiz Ricardo Augusto de Sales reafirmou o seu voto favorável à posse de Raimundo Magalhães, segundo colocado na eleição de 2012, conforme determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Do lado de fora do tribunal um grupo de coarienses que chegou hoje a Manaus, viajando de barco, defendia com faixas e cartazes a posse de Raimundo Magalhães. Eles pediam justiça para Coari, denunciando a corrupção e irregularidades na atual gestão, comandada por Iranilson Medeiros.

Um grupo oposto pedia a realização de nova eleição para prefeito do município. A Polícia Militar teve que reforçar a segurança no local para evitar confronto. Dentro do prédio, policiais federais mantinham a segurança.

Decepção – A decisão de adiar pela quarta vez o julgamento decepcionou Raimundo Magalhães, que acompanhou a sessão ao lado do deputado Luiz Castro, da advogada Maria Benigno e de correligionários.

Para o deputado Luiz Castro, os argumentos para descumprir uma determinação do TSE, são descabidos e esdrúxulos, porque pressupõem uma ação que não existe no ordenamento jurídico.

“Enquanto isso, permanece na Prefeitura de Coari um vereador ligado ao grupo de Adail Pinheiro. Essa atitude protelatória só beneficia o grupo que vem saqueando os cofres do município”, declarou o deputado.

Roberto Brasil