Texto em defesa do Estado Islâmico é encontrado perto do atirador, na Champs-Elysées

By -

A polícia francesa identificou Karim Cheurfi, de 39 anos, como o autor do ataque na Champs Elysées – AP

Um texto manuscrito em defesa do grupo Estado Islâmico (EI) foi encontrado perto do corpo do autor do ataque na Champs-Elysées, informou nesta sexta-feira uma fonte próxima à investigação. Identificado como Karim Cheurfi, o atirador — um francês de 39 anos — foi morto pelas forças de segurança na quinta-feira depois de matar um policial e ferir outros dois na avenida que é um dos maiores símbolos de Paris. No veículo de Cheurfi também teria sido encontrado um exemplar do alcorão. A poucos dias das eleições presidenciais francesas, o atentado semeou medo e elevou as tensões no país.

O grupo jihadista Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado em um comunicado, no qual se referiu ao terrorista pelo seu nome de guerra, Abu Yusuf al-Beljiki. Segundo funcionários franceses, citados pela AP, o autor do ataque foi detido em fevereiro por ameaça a policiais, mas logo foi libertado. Ele também já havia sido preso há 16 anos após confrontos com policiais e estava no radar das autoridades por radicalização.

Uma operação estava em curso na madrugada desta sexta-feira no subúrbio de Seine-et-Marne, onde morava o atirador. A operação em andamento visa estabelecer “se há ou não cúmplices”, revelou o promotor. Um suspeito que estava sendo buscado pelas autoridades se entregou à polícia belga. Segundo as primeiras investigações, o atirador era o proprietário do carro utilizado no ataque.

De acordo com as autoridades, o autor do ataque foi condenado — em 2005 — a 15 anos de prisão por três tentativas de homicídio, incluindo contra dois policiais.

Os crimes ocorreram após uma perseguição em 2001. O homem circulava armado em um automóvel roubado quando bateu em outro veículo, no qual estava um cadete da polícia. O homem fugiu caminhando e foi alcançado pelo motorista do veículo e seu irmão, o cadete, que acabaram feridos com disparos no tórax. Dois dias depois, quando estava detido, feriu gravemente um policial após tomar sua arma na porta da cela.

O presidente francês, François Hollande, disse estar convencido de que o ataque foi um ato de terrorismo.

A famosa avenida larga que leva ao Arco do Triunfo estava lotada com parisienses e turistas desfrutando de uma noite de primavera. Mas a polícia evacuou rapidamente a área que permaneceu vazia noite a dentro, com exceção de carros da polícia e de policiais fortemente armados.

ESTADO DE EMERGÊNCIA

A França vive sob um estado de emergência desde 2015 e sofreu uma série de ataques de militantes islâmicos que mataram mais de 230 pessoas nos últimos dois anos.

O porta-voz do Ministério do Interior disse que era muito cedo para dizer qual o motivo do ataque, mas que estava claro que os policiais foram deliberadamente atacados. As autoridades policiais pediram ao público para evitar a área.

Fonte: O GLOBO/AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Roberto Brasil