Susam abre campanha alusiva ao Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais

By -

hepatite-CARTAZComeça nesta segunda-feira (27), no Amazonas, a campanha alusiva ao Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais (28 de Julho). A abertura oficial em Manaus será amanhã (28), às 8h, na Fundação Alfredo da Mata (FUAM), na Cachoeirinha, com oferta de teste rápido para Hepatite C, imunização para Hepatite B, palestras e blitze em frente à instituição, na avenida Rodrigo Otávio, com distribuição de material informativo e preservativos.

O secretário estadual de Saúde, Pedro Elias de Souza, explica que a campanha, que encerra no dia 31, tem o propósito de reforçar os alertas para a prevenção e detecção da doença. No Amazonas, foram registrados 410 novos casos, no período de 1º de janeiro a 15 de julho deste ano, conforme o Sistema de Notificação de Agravos SINAN.

Entre os anos de 1975 a 2015, foram confirmados 8.538 casos da doença, sendo 3.416 do tipo A, 2.825 do tipo B, 1.662 do tipo C e 635 do tipo D. As maiores incidências foram nos municípios de Manaus, Eirunepé, Coari, Atalaia do Norte, Lábrea, Boca do Acre, Guajará, Manacapuru, Fonte Boa e São Paulo de Olivença.

Como parte da programação da campanha, no dia 30, das 9h às 11h, as atividades serão estendidas para o Porto da Manaus Moderna, com a distribuição de preservativos e folders informativos. Até o dia 31, a população poderá fazer teste rápido para detecção da Hepatite C nas unidades de saúde e instituições parceiras.  Haverá ainda a imunização contra Hepatite B.

São parceiros da campanha a Secretaria Estadual de Juventude Esporte e Lazer/Programa Galera Nota 10, Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Núcleo de DST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Secretaria de Justiça Direitos Humanos e Cidadania, Serviço Social do Comercio SESC e Organizações da Sociedade Civil (Fórum de OSC AIDS, Fórum LGBT e Rede de Amizade & Solidariedade as Pessoas Vivendo com HIV/Aids).

As hepatites podem ser causadas pelos vírus do tipo A, B, C, D e E e comprometem o fígado, um dos órgãos mais importantes do corpo humano. Segundo a coordenadora estadual de DST/Aids e Hepatites Virais, vinculada à Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT/AM), órgão da Susam, infectologista Silvana Lima, os tipos considerados mais graves – B, C e D – podem ser transmitidos por meio da relação sexual desprotegida, transfusão de sangue e derivados contaminados, uso de drogas, compartilhamento de seringas agulhas, escova de dentes, lâmina de barbear e outros objetos, aleitamento materno e transmissão  vertical (de mãe para o bebê, durante o parto). “No Brasil e no mundo as hepatites virais ainda são um problema de saúde pública”, avisa.

Roberto Brasil