SOLTURA DE QUELÔNIOS: PROJETO PÉ-DE-PINCHA ESTÁ REPOVOANDO A NATUREZA

By -

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-01Da Redação – A vida precisa da vida para poder viver, o Projeto Pé-de-Pincha, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), patrocinado pela Petrobrás (BR), que tem como objetivo cuidar da conservação de quelônios há 15 anos, e leva muito a sério esse trabalho, vem contribuído muito para que a vida dê à mão a vida, para poder a vida existir e não falte nesse Planeta, ainda Azul, o futuro da existência humana depende de ações como essa. O Projeto Pé-de-Pincha está repovoando a natureza para que ela não perca a sua cor, e continue com sua verde chama alimentando a esperança de viver.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-02Há 15 anos, o Pé-de-Pincha, através de manejo, aumentou consideravelmente, a população de quelônios, onde a espécie já estava escassa, acreditando-se, até, na sua extinção; no seu desaparecimento para sempre da natureza, contudo, trabalhando com muita fé, esforço, determinação e muita garra, superando inclusive, as adversidades encontradas num país extremamente grande e desigual, acreditando, principalmente no potencial de cada um, plantou uma semente com o objetivo de ir em busca do que já estava quase perdido: a semente germinou, a planta cresceu e os frutos começaram a aparecer, e hoje, ao olhar pra trás tem-se a dimensão do que foi feito para a realidade presente, agora podemos vislumbrar o futuro dos Bichos de Cascos, de uma forma reta e palpável.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-11O mês de março culmina com o ápice do trabalho realizado pelo Projeto durante o ano anterior, é o mês da soltura, depois de passarem três meses se alimentando em berçários, mais de 30 mil quelônios, só das comunidades do Rio Andirá, foram soltos na natureza, a alegria de vê-los, é gratificante para a equipe do Projeto, que suspira aliviada por verem o seu trabalho na direção certo.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-09Para os Caboclos, a emoção de ver os “bebezinhos cascudos”, correndo livre para o seu habitat é grande, a alegria dá o sinal da vida em cada sorriso, em cada gesto: crianças, jovens, idosos, todos querem participar do momento, pois, já se conscientizaram que é necessário cuidar dos jardins da vida para que a vida floresça; a importância que esses animais têm para o futuro deles próprios é vital.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-08As comunidades se preparam muito para esse dia, é o momento deles festejarem o resultado de uma jornada, e começa com um bom café da manhã, regado a coisas da roça. Muitas atividades acontecem como campeonatos de futebol, entrega de certificados, palestras sobre educação ambiental, apresentações de crianças, que através de interpretações teatrais, mostram como fazem para proteger os animais em seu ambiente natural. A noite, antes do baile começar, uma vasta programação acontece, vai desde concurso de poesia, paródias, e outras atividades mais, tudo sobre o meio ambiente, até chegar a vez de escolher a mais linda Garota Pé-de-Pincha do pedaço, para em seguida começar, realmente a festa propriamente dita: uma banda toca, e, com o pensamento firme das pegadas dos Pés-de-Pinchas, nas areias do futuro, a “cabocada” dança até o futuro amanhecer.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-07As festas que comemoram as solturas dos filhotes pelas comunidades, não acontecem simultaneamente, cada uma está programada para o seu dia, isso, faz com que, uma participe da festa da outra, havendo uma competição sadia, no sentido de cada ano melhorar mais, tanto pela questão no cuidado com o manejo, obtendo como consequência, um resultado satisfatório de ter mais quelônios para soltar, como na organização da festa, e essa interação é boa para os objetivos do projeto, mas todos tem a consciência da importância do momento.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-03Thiago Anízio coordenador do Projeto em barreirinha que abrange 20 comunidades no Rio Andirá, falou da importância da soltura: “A soltura é a conclusão do trabalho que foi realizado do inicio do ano com as comunidades, começando com as reuniões, monitoramento, posteriormente a coleta, depois vem à eclosão e finalizamos com a soltura dos filhotes é o momento que a comunidade festeja, é o ápice do trabalho de tudo que o projeto fez durante o ano, é um momento de festa com a comunidade, um momento de entretenimento, alegria pra comemorar o sucesso do trabalho, e nós ficamos felizes com o resultado alcançado”.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-12O Professor de ensino Fundamental do Tucumanduba, Inácio Ribeiro, também contribui com o projeto na relação de conscientização dos seus alunos sobre o meio ambiente, inserindo o tema na grade curricular da escola, e fala da importância da soltura. “Primeiro eu queria cumprimentar o Projeto Pé-de-Pincha, que já está, há mais de 10 anos, aqui na comunidade do Tucumanduba. Então, a escola em si, já inseriu o projeto como um componente curricular. O objetivo de nós termos inserido, é para que as crianças tenham consciência, de que é necessário haver uma visão diferente do meio ambiente, da natureza. A nossa preocupação é que elas cresçam se desenvolvam em consonância com o meio ambiente de forma, que elas possam usufruir, e, também, que possam deixar para os seus filhos alguma coisa concreta – a beleza e toda a exuberância dos animais da floresta. Agora a importância da soltura é uma simbolização, porque ela representa todo um trabalho de uma equipe, toda a união da comunidade em torno de trabalho que foi prestado para ser executado no momento certo, então, a soltura, ela é uma comemoração, toda a satisfação da comunidade por um trabalho bem realizado”.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-colagem-02O professor Alfredo Pontes, coordenador do projeto no distrito de Piraí, destaca a importância da soltura: “A principal importância é ver esse bichinhos sendo devolvidos a natureza, eles passaram por um processo de desova, depois incubação, eclosão alimentação no berçário para atingir um crescimento melhor”, e ressalta o progresso do projeto no distrito de Tucumanduba: “O Tucumanduba é um exemplo de comunidade, em 2002 eles conseguiram apenas oito ninhadas de quelônios, e hoje, eles estão liberando mais de dois mil filhotes, com 185 ninhadas, mostrando o trabalho de evolução do projeto, e de  conscientização e sensibilização do povo da região. É pra comemorar mesmo, com muita alegria e satisfação.

projeto-pe-de-pincha-blogdafloresta-março-blogdafloresta-14Um dado importante desse trabalho desenvolvido é que, de 2001 a 20114 foram coletados 85.339 ovos, e nasceram 73. 295 filhotes de quelônios, portanto, é O Projeto Pé-de-Pincha repovoando a natureza.  (Texto e Fotos: David Almeida)

Roberto Brasil