Sindicatos dos bancários anunciam greve a partir do dia 6

By -

BANCARIOS-GREVEO sindicato dos bancários de todo o Brasil decidiu, em assembleia realizada nesta quinta-feira (1°), entrar em greve a partir do dia 6 de outubro.

A decisão ocorre depois de negociação com a federação dos bancos e, até as 22h20 desta quinta, já tinha sido tomada por 72 sindicatos, entre eles os de Porto Alegre, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

Os bancários haviam recebido uma proposta de 5,5% de reajuste nos salários, além de R$ 2.500 de abono fixo. A categoria pede reajuste salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real e 9,88% referentes à perda da inflação .

Pelos cálculos do Sindicato dos Bancários, a “perda real de 4%” significa que um bancário que recebe o salário médio da categoria iria perder no ano R$ 1.983 em relação a uma proposta que apenas cobrisse a inflação.

Segundo Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do comando nacional, esse foi o pior índice oferecido pelos bancos desde 2004.

“Perda real não é condizente com os resultados dos bancos, que tiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões nos últimos seis meses. As instituições financeiras estão colocando a categoria em greve de forma irresponsável, ao mesmo tempo que cobram juros de mais de 400% no cartão de crédito, prejudicando toda a população”, disse a sindicalista.

São mais de 500 mil bancários no Brasil, sendo 142 mil representados pelo sindicato em São Paulo, Osasco e região.

A categoria recebeu aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014. No ano passado, foram 2,02% acima da inflação.

ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR

De acordo com o Procon-SP, diante de um cenário de greve, o consumidor continua com a obrigação de pagar faturas, boletos bancários e demais cobranças, mas as empresas são obrigadas a oferecer outro local de pagamento.

Para evitar a cobrança e o envio do nome a serviços de proteção ao crédito, a entidade recomenda que o consumidor entre em contato com a empresa e peça opções de formas e locais para pagamento, como internet, sede da empresa e casas lotéricas.

O consumidor deve documentar o pedido para que, posteriormente, possa reclamar ao Procon-SP se o fornecedor não o atender. FOLHAPRESS

Roberto Brasil