Sete pessoas são notificadas por furto de água e de energia em ação deflagrada pelas equipes da DECFS na zona Norte

By -
A operação durou cerca de oito horas

A operação durou cerca de oito horas

Servidores lotados na Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS) notificaram por furto de água e energia, sete pessoas, proprietárias de imóveis e estabelecimentos comerciais localizados na Rua Conde de Sapucaí, no bairro Mundo Novo, zona Norte da capital. 

A ação, coordenada pelo delegado titular da DECFS, Alfredo Dabella, contou com o apoio de policiais civis do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP), policiais militares da 12ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), servidores que atuam no Instituto de Criminalística (IC), além de funcionários da Manaus Ambiental e Eletrobrás Amazonas Energia.

De acordo com Dabella, a operação, deflagrada após o recebimento de denúncias anônimas, durou cerca de oito horas e foi iniciada às 9h. “Notificamos os responsáveis por um mercadinho, uma academia de musculação, uma lanchonete, uma panificadora, uma distribuidora de bebidas, além de proprietários de quitinetes”, explicou o delegado.

Conforme a autoridade policial foi constatada durante a ação que todos os empreendimentos estavam furtando água e energia, uma vez que esses pontos não possuíam cadastro junto às respectivas concessionárias.

“Orientamos as pessoas a utilizarem esses serviços de forma legal, consciente e racional. Quem furta energia, água, gás e serviços de telecomunicações, seja ele sinal de internet ou de TV por assinatura, fica sujeito às penalidades que esse tipo de delito prevê. A população deve continuar nos ajudando, denunciando esse tipo de irregularidade ligando para o número da delegacia: (92) 3622-7837”, declarou o delegado Alfredo Dabella.

Todos os responsáveis pelos estabelecimentos onde foram constatadas as infrações foram notificados para comparecer à DECFS. Eles irão responder em liberdade por furto de água e de energia, crimes previstos no Art. 155 do Código Penal Brasileiro (CPB).

Roberto Brasil