Servidores do TRE entram em greve nesta segunda-feira (29)

By -

greve-trabalhadoresanunciado na semana passada, os servidores do Tribunal Regional Eleitoral no Amazonas (TRE-AM) entram em greve nesta segunda-feira (29) por tempo indeterminado. Para marcar o início do movimento, eles realizam uma manifestação conjunta com os servidores do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), já em greve desde o dia 18, e da Justiça Federal (em paralisação de advertência nesta segunda e terça-feira). O ato inicia a partir de 10h, na praça dos tribunais, na Aleixo.

Os servidores do Poder Judiciário da União (TRE, TRT e JF) reivindicam a aprovação, no Senado Federal, do PLC 28/15, que prevê a correção do seu Plano de Cargos e Salários, defasado desde 2006.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, recebeu no último dia 25, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) uma proposta de 21,3% de reajuste para os servidores do Judiciário.

De acordo com a proposta, esse percentual seria parcelado entre os anos de 2016 e 2019, sendo 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,75% em 2018, 4,5% em 2019. Segundo o  Planejamento, o reajuste foi calculado com base na inflação estimada para o período.

O presidente do STF informou que não iria acatar a proposta do Executivo sem antes debatê-la com representantes dos servidores.

Proposta é vergonhosa

Para os membros da comissão de negociação junto ao STF, a proposta do governo é inviável, pois ignora as perdas da categoria, estimada em 50,76%, desde junho de 2006 e  estimada até dezembro de 2019.

Conforme o presidente do Sindicato dos Servidores do Tribunal Regional do Trabalho no Amazonas e Roraima (SitraAM/RR), Luis Claudio Corrêa, a proposta é uma piada de mau gosto que “sequer cobre a perda do ano de 2015”. O sindicalista argumenta que a “brincadeira” do governo vai custar caro, visto que os servidores estão mobilizados e “não abrirão espaço para serem enganados novamente”.

“É repugnante tratar os servidores dessa forma. Vamos lutar até o fim pelo nosso PLC 28/2015”, completou.

Roberto Brasil