Servidores da Susam recebem treinamento sobre o Método Canguru

By -

Profissionais de quatro maternidades da capital e dos Centros de Atenção Integral a Criança (Caics) participam, de hoje (27) até quarta-feira (29), de um curso de capacitação de tutores para o Método Canguru.

O treinamento será coordenado por consultores do Ministério da Saúde (MS), com o apoio da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), no auditório da Maternidade Ana Braga, na zona Leste de Manaus.

De acordo com a coordenadora estadual do Método Canguru, enfermeira Agatha Freire, a 3ª etapa do método pode ser executada de forma compartilhada. Ou seja, tanto nas maternidades quanto nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

“Nesse sentido, os tutores receberão informações para que possam sensibilizar os profissionais da Atenção Básica quanto às rotinas do método, principalmente as da 3ª etapa”, explica Agatha.

O Método Canguru consiste em uma série de procedimentos de cuidados aos bebês prematuros e/ou baixo peso, que preza pelo atendimento individualizado da criança, com a presença da mãe e do pai nas rotinas do tratamento dentro das maternidades.

A 3ª etapa do método, quando a criança deixa a maternidade, consiste em consultas ambulatoriais para avaliação clínica e acompanhamento do ganho de peso do bebê. Estas consultas acontecem nas maternidades, mas também podem e devem ser realizadas pela Atenção Básica, nas UBSs, por exemplo.

Capacitados, esses tutores poderão repassar o que aprenderam aos profissionais que atuam nos serviços de Atenção Básica. Trinta e duas pessoas vão participar da capacitação.

A maternidade Ana Braga é referência no Amazonas do Método Canguru, mas outras unidades do Estado também aplicam o método no atendimento de bebês prematuros ou com baixo peso (Balbina Mestrinho, Instituto da Mulher e Dona Nazira Daou, além da maternidade da rede municipal Moura Tapajoz).

O Método Canguru é uma estratégia do Ministério da Saúde que busca garantir a sobrevivência de bebês prematuros ou de baixo peso.

Benefícios do Método Canguru

  • Menor tempo de internação do bebê
  • Oxigenação adequada
  • Aumento da temperatura do corpo e estabilidade
  • Menos episódios de apneia – paradas respiratórias durante o sono
  • Diminuição do choro
  • Aumento do aleitamento materno
  • Aumento do vínculo pai-mãe-bebê-família
  • Diminuição do tempo de separação pai-mãe-bebê-família
  • Melhor relacionamento família/equipe
  • Estimulação sensorial positiva
  • Diminuição de infecção hospitalar
  • Controle e alívio da dor
  • Acolhimento ao bebê e sua família
  • Respeito às individualidades
  • Promoção do contato pele a pele precoce

*Com informações da assessoria

Roberto Brasil