Seis mestrados da Ufam são avaliados como ‘fracos’ e podem ser cancelados

By -

Seis cursos de mestrado da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) tiveram nota abaixo da mínima avaliada pela Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes) e correm o risco de não serem mais oferecidos pela instituição. Na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), nove cursos se mantiveram com a nota 3, a mínima exigida para permanência. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam) teve com o único curso oferecido a nota 4.

Na Ufam, os cursos de mestrado que registraram nota 2 foram Ciências da Comunicação, Engenharia Civil, Ciências da Saúde, Sociologia e Engenharia de Produção e Saúde. O programa de Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia obteve apenas 1 ponto. De acordo com a Capes, as notas podem resultar no descredenciamento do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG), pois eles não atendem os padrões mínimos de qualidade.

Ao todo, 36 cursos da Ufam foram avaliados pela Capes, órgão do Ministério da Educação responsável pelo reconhecimento e avaliação de cursos de pós-graduação em âmbito nacional. Pela universidade, o curso de Informática obteve a nota 5, a mais alta entre as observadas. Na UEA, o mestrado em Educação em Ciências na Amazônia e Medicina Tropical chegaram a nota 5, ao passo que o Ensino Tecnológico do Ifam teve nota 4.

Região Norte

A Região Norte não obteve nenhum curso com nota 7, maior nota estabelecida pelo Ministério da Educação. A Capes avaliou 227 cursos dos sete estados da região.

A Universidade Federal do Pará (UFPA), por exemplo, não teve nenhum curso com risco de ser excluído com notas abaixo de 3. A instituição ainda conseguiu alavancar quatro mestrados e doutorados até a nota 6, considerados pela Capes como “programas de excelência e de referência nacional e internacional”.

O mestrado profissional em Ensino de Ciências da Saúde na Universidade Federal de Rondônia (Unir) também teve nota 1 pela Capes. / PORTAL A CRÍTICA

Roberto Brasil