Se Dilma saísse, seria substituída por outro político medíocre, diz jornal britânico

By -

dilma-impeachment-cartazO jornal britânico “Financial Times”, considerado por muitos o melhor e mais influente diário econômico do mundo, disse em editorial que ainda não há motivos para o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Segundo o periódico, mesmo que houvesse motivos, dificilmente o Congresso votaria pelo impeachment, por falta de apoio à medida: são necessários os votos de dois terços da Câmara que o processo seja aberto, e também de dois terços do Senado para uma eventual condenação.

O “FT” afirma ainda que, mesmo que Dilma seja removida de seu cargo, a situação econômica do país não iria melhorar, porque ” a probabilidade seria de que outro político medíocre viesse a substituí-la”.

“Será que faria diferença se [o impeachment] acontecesse?”, questiona.

O jornal diz que não há maneira óbvia de quebrar o impasse político e afirma que o Brasil está longe de viver uma desordem como a que existe na Argentina ou Venezuela, “mesmo que sua queda em desgraça tenha sido notável”.

Leia, abaixo, o editorial.

Costuma-se dizer que o Brasil experimenta todas as abordagens econômicas, até por fim escolher a certa.

Nos últimos 60 anos, o país se mostrou igualmente criativo na maneira pela qual presidentes foram removidos do poder. Getúlio Vargas foi levado ao suicídio; Jânio Quadros, forçado a renunciar; João Goulart, deposto em um golpe militar; e Fernando Collor de Mello foi acusado de corrupção e sofreu impeachment.

Muita gente imagina que Dilma Rousseff, eleita para um segundo mandato oito meses atrás, possa enfrentar destino semelhante.

Os motivos para sua posição precária são claros. Um escândalo de corrupção cada vez mais amplo na Petrobras, investigado com vigor admirável por promotores públicos independentes, revelou o quanto se tornaram venais os políticos brasileiros, especialmente os do partido governante, o PT; mais de US$ 2 bilhões foram roubados, em forma de propina, da estatal de energia.

Já que Dilma era presidente do conselho da Petrobras quando boa parte dessa corrupção aconteceu, ela pode ser culpada por, no mínimo, imensa incompetência.

Além disso, há o seu histórico econômico lúgubre. A economia está no fundo do poço, e a previsão é de a recessão perdure até 2016, pelo menos. Enquanto isso, o valor da moeda está em queda, o investimento entrou em colapso, a inflação é duas vezes mais alta que a meta oficial, a confiança dos investidores evaporou e o desemprego está em alta.

Não admira que tenham acontecido protestos em massa em todo o Brasil neste domingo (16) ou que 66% dos brasileiros desejem o impeachment de Dilma.

Mas será que isso deveria acontecer? Além disso, será que faria diferença se acontecesse? A presidente não foi acusada de corrupção. Ela também declarou repetidamente que não renunciará.

É verdade que enfrenta acusações de que, em seu primeiro mandato, violou as regras de financiamento de campanha e manipulou as contas públicas; qualquer das duas coisas poderia ser suficiente para impeachment.

Mas ainda não surgiu decisão sobre qualquer das duas imputações. E, mesmo que essas acusações venham a ser feitas, o impeachment requereria apoio de dois terços do Congresso, e esse apoio não existe.

Políticos igualmente culpados de corrupção relutam em apertar o gatilho. O PSDB, partido oposicionista de centro-direita, enquanto isso está feliz em assistir ao sofrimento de Dilma. Sua esperança é chegar às eleições presidenciais de 2018 com o PT completamente desacreditado e conquistar mandato claro para implementar reformas abrangentes de liberalização como as que o Brasil promoveu pela última vez nos anos 90.

O problema com esse cenário catártico, se bem que pró-mercado, é que 2018 está a três longos anos de distância, e é preciso agir agora. Mas a impopularidade do governo, e a atitude de salve-se quem puder do Congresso quanto ao escândalo da Petrobras, significa que muitas das medidas de estabilização econômica necessárias estão travadas.

Um rebaixamento dos papéis de dívida brasileiros à classificação de junk bonds [abaixo do grau de investimento considerando seguro pelas agências de classificação de risco] continua a ser possibilidade real. Se isso acontecesse, ainda mais investimento deixaria o país e a economia pioraria ainda mais.

Enquanto isso, não existe maneira óbvia de quebrar o impasse. Além disso, mesmo que Dilma seja removida, a probabilidade seria de que outro político medíocre viesse a substitui-la – e então buscasse implementar a mesma estabilização econômica que ela tenta promover.

É necessário ter perspectiva. O Brasil está longe de viver desordem como a que existe na Argentina ou Venezuela, mesmo que sua queda em desgraça tenha sido notável. Seis ano atrás, Luiz Inácio Lula da Silva, o predecessor de Dilma proclamou estar “convicto de que o século 21 será o século do Brasil”.

Restam 85 anos –e por isso pode ser que a bazófia seja confirmada. Antes disso, porém, Lula, no passado um dos mais populares políticos do mundo, pode ser indiciado por acusações de corrupção. Raramente a arrogância insensata atingiu tamanhas alturas. FOLHAPRESS

Roberto Brasil