Saiba o que motivou ministra do Supremo a não julgar eleições no AM

By -

Sepúlveda Pertence | Cármem Lúcia

Foi um alegado “motivo de foro íntimo” que afastou a ministra Cármen Lúcia do julgamento da ação que pede a retomada do processo eleitoral  no Amazonas. A presidente do STF é prima (de terceiro grau) e fã do ex-ministro do Supremo Sepúlveda Pertence, advogado contratado pelo senador Eduardo Braga (PMDB)  para cuidar do caso. A saída de Cármen Lúcia da ação abria um caminho estratégico para que Dias Toffoli assumisse a causa, mas, o ministro saiu do País.

Sepúlveda Pertence, advogado de Braga, foi por 18 anos membro do STF, órgão que presidiu em 1995, e tem grande influência entre os ministros. Durante uma homenagem que recebeu em sua despedida do Supremo, em 2007, ouviu de Cármen Lúcia: “Quero todos os dias ser melhor para ser digna do seu modelo”.

(Com SIM&NÃO/PORTAL A CRÍTICA)

Roberto Brasil