Rússia diz que Trump não está pronto para trabalho conjunto em segurança cibernética

By -

Putin e Trump conversam em reunião durante encontro do G20 em Hamburgo, na Alemanha – (MIKHAIL KLIMENTIE/AFP)

Uma discussão sobre segurança cibernética entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hamburgo não significa que as duas nações começarão a abordar o problema juntos já na próxima terça-feira, disse Svetlana Lukash, representante do governo russo, nesta segunda-feira. Os dois presidentes discutiram no encontro a ideia de criar o que Trump chamou de “unidade de cibersegurança impenetrável”, a fim de impedir os ataques de hackers em eleições futuras. A conversa sobre o tema durou 40 minutos, segundo Svetlana.

— Provavelmente, Trump não está pronto ainda (para o trabalho conjunto) nesse estágio — afirmou Svetlana, na cúpula do G20 que aconteceu na semana passada na Alemanha. — Ninguém, exceto os participantes do encontro, sabe como a proposta foi formulada e como o presidente Trump reagiu.

Porém, a represente russa não excluiu que, no final, uma comissão comum de segurança cibernética poderia ser uma unidade bilateral dos EUA ou Rússia ou um esforço patrocinado pelas Nações Unidas.

Neste domingo, Trump voltou atrás sobre uma unidade de segurança cibernética com a Rússia, tuitando que ele não acredita que aconteceria. A sua mensagem foi divulgada horas após sua proposta ser duramente criticada pelos republicanos, que disseram que Moscou não podia ser confiável. O presidente americano pediu por uma reaproximação com os russos em sua campanha, mas não conseguiu realizá-la porque seu governo vem sendo marcado por investigações de alegações de interferência russa na eleição e ligações com sua campanha.

Trump também afirmou que é “hora de seguir em frente e trabalhar construtivamente com a Rússia”, depois de seu longo encontro com Putin. Porém, o presidente ainda está evitando a questão de se ele aceitou a negação de Putin de que a Rússia foi responsável pela interferência nas eleições de 2016. Falando em uma série de tuítes pela manhã após retornar do cúpula dos líderes mundiais, o chefe de Estado americano disse que “pressionou fortemente Putin duas vezes sobre a ingerência russia durante seu encontro na sexta.

O presidente americano afirmou que Putin negou veementemente as conclusões das agências de inteligência americanos que os hackers russos e propagandistas tentaram influenciar a eleição a seu favor. Porém, Trump não disse se acreditou no russo, tuitando apenas que ele já deu sua opinião. Ele disse que pensa que a Rússia provavelmente hackeou os e-mails do Comitê Nacional Democrata e os funcionários da Hillary Clinton, mas que “outras pessoas e/ou países” provavelmente também estariam envolvido e que, antes da reunião, afirmou que “ninguém sabe com certeza”.

(Com AGÊNCIA O GLOBO)

Roberto Brasil