Rinaldo Segundo: Desenvolvimento Sustentável da Amazônia menos desmatamento, desperdício e pobreza,

By -
Rinaldo Segundo

Rinaldo Segundo

Vista diversamente ao logo do tempo, a Amazônia é um querido patrimônio brasileiro. Pesquisas demonstram o apoio maciço da sociedade brasileira na preservação da floresta.A Amazônia é única. A vastidão e densidade de sua floresta abrigam 23 milhões de habitantes. Agrupados em realidades econômicas diversas, tais pessoas possuem necessidades e desejos que devem ser compatibilizados com a preservação da floresta. Mas, a exploração dos recursos naturais ainda é insustentável, refletindo em baixos índices econômicos e sociais. Isso estimula mais exploração insustentável, econômica e ambiental.

 

Ao mesmo tempo, os desmatamentos na Amazônia são a principal causa atual de emissões de gases de efeito estufa pelo Brasil, o quarto emissor do planeta. Gases de efeito estufa causam o aquecimento global planetário,acrescentando novo motivo para a preservação da floresta amazônica.Mas, como mudar essa realidade?

 

O Livro O Desenvolvimento Sustentável da Amazônia: menos desmatamento, desperdício e pobreza, mais preservação, alimentos e riqueza endereça tais problemas. Primeiro, diagnosticando tais problemas com informações históricas e numéricas. Segundo, apresentando dois modelos capazes de solucionar os problemas amazônicos, a saber, os modelos de comande e controle e econômico. Terceiro, revisando dogmas e propondo a combinação de medidas, maximizando a preservação da floresta, a produção de alimentos e o aumento da riqueza na região. Isso é desenvolvimento sustentável!

 

Partindo do pressuposto que diagnóstico e crítica são necessários mas insuficientes, o livro propõe um desafio maior: apresentar um modelo de desenvolvimento sustentável para a Amazônia. Agindo assim, o autor se lança no terreno tormentoso da proposição. Para isso, justifica-se a necessidade do modelo e suas principais características. Por fim, o modelo é apresentado tematicamente, justificando-se as propostas.

 

O livro se divide em três partes. Na primeira parte, Escolhas Possíveis, apresentam-se os problemas do aquecimento global e do desmatamento amazônico. A seguir, discutem-se as características e as deficiências do modelo regulatório/comando e controle e do modelo de instrumentos econômicos, buscando integrá-los. Há escolhas possíveis, construídas a partir daquela integração.

 

Na parte 2, Pressupostos do Modelo, discutem-se os pressupostos de um modelo de desenvolvimento sustentável, e, principalmente, os pressupostos do nosso modelo para a Amazônia. Tais pressupostos podem auxiliar a reformulação, a elaboração ou mesmo a reafirmação de propostas. O fortalecimento da democracia, o protagonismo da cidadania, a singularidade humana, a dependência dos recursos naturais inspiraram a escolha de nossos pressupostos. Essa escolha política se revelou também nas propostas do modelo.

 

Na parte 3, Um Modelo de Desenvolvimento Sustentável para a Amazônia, apresentam-se e analisam-se as propostas, e o modelo ganha forma concretamente. O modelo em questão não pretende a unanimidade, e obviamente, não estará imune a críticas. Mas, o modelo é corajoso desafiando os caminhos do aplauso previsível, do idealismo irrealista, da realidade insensível e do senso comum.

A humanidade proclama um futuro comum; por isso toda a mobilização climática e ambiental dos últimos quarenta anos (inclusive o Brasil é um dos líderes nos debates e soluções climáticas internacionais). É hora de promover um futuro comum também para a Amazônia. Essa é a proposta do livro O Desenvolvimento Sustentável da Amazônia.

 

Mario Dantas