Ricardo Nicolau propõe moção de repúdio ao governo federal por corte de R$ 5 bi no Amazonas

By -
Dep. Ricardo Nicolau

Dep. Ricardo Nicolau

O ouvidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD), defendeu nesta quarta-feira, 25 de fevereiro, que a Casa Legislativa encaminhe moção de repúdio ao governo federal em protesto ao corte orçamentário anual de aproximadamente R$ 5 bilhões sofrido pelo Amazonas, conforme citado pelo deputado Serafim Corrêa (PSB).

Em aparte ao pronunciamento de Serafim, que introduziu o assunto nas discussões em plenário, Ricardo Nicolau afirmou que a Aleam precisa adotar um posicionamento oficial sobre o tratamento que o governo petista tem dado ao Estado.

“É preciso que esse discurso seja levado à Brasília como uma manifestação oficial da Assembleia Legislativa do Amazonas ao governo federal porque eu acredito que esta Casa repudia a política da União que retira recursos e não investe em nosso Estado”, propôs o parlamentar.

Ricardo Nicolau voltou a destacar sua preocupação com o desequilíbrio na distribuição de repasses constitucionais da União para o Estado. De acordo com o deputado, o Amazonas é o único Estado do Norte e Nordeste que recolhe mais do que recebe de volta em recursos pela atual divisão do bolo tributário do país.

“O Amazonas precisa de mais investimentos e não pode abrir mão de R$ 5 bilhões que, ano a ano, vêm sendo retirados do povo. Ainda não temos alternativas econômicas à Zona Franca de Manaus e não faltam problemas nos portos, nas estradas, como a BR-319, na logística, na saúde e em todos os problemas”, enumerou.

O ouvidor da Aleam citou outros problemas diretamente relacionados ao governo do PT, como o contingenciamento de recursos da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), que já ultrapassa R$ 1 bilhão, e o abandono do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), que não possui personalidade jurídica há mais de uma década.

“Apesar das votações recordes que o Amazonas tem dado aos governos petistas nos últimos anos, não há retorno algum para os amazonenses em forma de novos investimentos”, criticou Ricardo Nicolau, defendendo que o Estado merece tratamento diferenciado para voltar ao rumo do crescimento.

Roberto Brasil