Retirada do pagamento em dinheiro nos coletivos será de forma gradativa

By -
A maioria dos roubos dentro dos coletivos se dá por conta do dinheiro do cobrador

A maioria dos roubos dentro dos coletivos se dá por conta do dinheiro do cobrador

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) esclarece que o fim do uso de moeda corrente nas catracas ocorrerá de forma gradativa. Em coletiva realizada na tarde desta quarta-feira (16), o órgão informou que ainda não há data para que o procedimento entre plenamente em vigor. 

De acordo com o diretor jurídico do Sinetram, Fernando Borges, um levantamento feito em conjunto com a Secretaria de Segurança aponta que a maioria dos roubos dentro dos coletivos se dá por conta do dinheiro do cobrador. Para ele, assim como em outras capitais que já retiraram o pagamento em dinheiro, Manaus vai dar um grande passo na redução desse tipo de crime. 

“Já visitamos várias cidades onde não tem mais dinheiro na catraca e o índice de crimes dessa natureza é quase zero. É preciso fazer isso aqui em Manaus, não há mais como estar colocando a vida de passageiros e colaboradores em risco”, destaca Borges. 

Ainda de acordo com o diretor, essa especulação quanto a situação dos cobradores não procede. “Eles serão fundamentais na fiscalização como são hoje. E trabalharão com mais tranquilidade”, finaliza. 

Até o mês de março de 2017, deverão ser implantados mais 200 postos de atendimento, em todas as zonas da capital, permitindo aos usuários mais alternativas de compra de créditos. Atualmente, além dos 20 postos já existentes, o usuário pode fazer a compra também pelo site passafacil.sinetram.com.br. 

Assaltos 

Entre janeiro e outubro as dez empresas que compõem o sistema de transporte coletivo de Manaus registaram 2.767 assaltos, uma média de 10 ocorrências por dia. O prejuízo já chega a mais de R$ 804 mil, valor que dava para adquirir quatro ônibus novos. No mesmo período do ano passado, foram registrados 2.203 assaltos.

Roberto Brasil