Relógio Municipal será entregue à população completamente restaurado

By -

Inaugurado no início do século XX, o Relógio Municipal foi instalado na avenida Eduardo Ribeiro, em 1927, compondo a paisagem arquitetônica da praça XV de Novembro, mais conhecida como praça da Matriz. No próximo dia 15, o espaço será novamente devolvido para a população totalmente revitalizado e o Relógio será reinaugurado como marco da história de Manaus.

Para o coordenador do PAC Cidades Históricas, Rafael Assayag, a restauração de um dos principais monumentos históricos da capital, além de lembrar o passado, marca uma nova história de crescimento para Manaus. Ele lembra que, em 1927, o Relógio tinha o simbolismo de marcar uma mudança de tempo na cidade. Naquela época, Manaus vivia uma crise, devido ao fim do ciclo da borracha.

Ainda segundo Assayag, em 2017, o monumento será reinaugurado, coincidindo com o fim da crise econômica no Brasil. “A gestão do prefeito Arthur Virgílio Neto traz uma representatividade muito forte de reconstrução, de novo tempo e de novos ares. Restaurar o Relógio Municipal marca o início de uma retomada econômica, um novo ciclo de crescimento para a cidade e, acima de tudo, organização urbana e qualidade de vida”, completou.

O Relógio Municipal possui uma frase em latim gravada em volta do mostrador – “vulnerant omnes, ultma necat”, que em tradução livre diz: “todas ferem, a última mata”, significando que para tudo a um tempo de acabar, até mesmo a vida. As palavras lembram que um dia todos enfrentarão um momento crucial, para o qual nunca se está preparado, porque não há como saber a data exata de tudo. 

Tradição

O maquinário do Relógio Municipal foi todo importado da Suíça e montado em base de pedra, pelos antigos ourives da cidade de Manaus, conhecidos como Pelosi e Roberti. Em 1945, a prefeitura abriu um edital que selecionou o senhor Faeiz Isaac Sahdo para atuar na administração do Relógio. Lá, ele atuou com sua barraca de conserto de relógios e também era responsável pela manutenção do maquinário suíço.

A partir da próxima semana, o histórico maquinário, que foi restaurado e teve todas as suas peças catalogadas, começa a ser montado. A montagem será feita por Fausto Sahdo, atual permissionário e herdeiro do maquinário.

As obras na praça da Matriz seguem em ritmo acelerado para a conclusão dos trabalhos. As equipes atuam na finalização das pinturas, instalação de bancos com icnografias da Belle Époque, instalação de gradis e jardinagem. Também estão sendo finalizados os pisos das calçadas com pedras São Tomé e as bancas de comida típicas, revista e o posto policial.

Roberto Brasil