Receita libera nesta quinta consulta a lote de restituições da malha fina

By -

imposto-de-renda-malha-finaA Receita Federal liberou nesta quinta-feira (11), desde às 7h (horário de Manaus), a consulta ao segundo lote de restituições do Imposto de Renda de declarações do ano passado que estavam presas na malha fina.

Nesse lote serão liberadas restituições para 45.437 contribuintes, no total de R$ 105,56 milhões, valor já corrigido em 10,85%, correspondentes à taxa Selic de maio do ano passado a janeiro deste ano mais 1% deste mês.

Essas restituições estavam presas na malha fina devido a incorreções ou inconsistências nas informações prestadas pelos contribuintes. Com a retificação feita por eles, a Receita liberou as restituições. O dinheiro será depositado no dia 15 deste mês nas contas indicadas pelos contribuintes.

Além do lote de 2015, a Receita liberará novos lotes residuais de 2008 a 2014. Esses lotes também referem-se a declarações que estavam presas na malha fina da Receita.

Esses sete lotes totalizam 18.448 contribuintes, que receberão R$ 44,44 milhões (o pagamento também será feito no dia 15). No total geral, a Receita devolverá R$ 150 milhões para 63.885 contribuintes (média de R$ 2.348 para cada um).

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar o site da Receita ou ligar para o Receitafone (146). Em ambos os casos é preciso ter o número do CPF.

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la pela internet, preenchendo o formulário eletrônico “Pedido de Pagamento de Restituição”, ou diretamente no e-CAC, no serviço “Extrato do Processamento da DIRPF”.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá ir a qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Roberto Brasil