Quadrilhas tradicionais e cômicas abrem o 37° Festival Folclórico do Parque Dez

By -

E foi no clima de um tradicional arraial com fogos, balões e quadrilhas que na noite desta sexta-feira, 7/7, teve início o 37ª Festival Folclórico do Parque Dez, na zona Centro-Sul de Manaus. A programação segue até o dia 13/8, no Centro Social Urbano (CSU) do bairro, com grupos de danças folclóricas e comidas típicas e é organizada pela Associação de Moradores do Conjunto Castelo Branco, com o apoio da Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh).

Na primeira noite, quatro quadrilhas, entre tradicionais e cômicas, levaram entretenimento para o público que prestigiou o evento. Nas barracas, as famílias puderam aproveitar guloseimas como maçã do amor, milho verde, bolo, pipoca, cachorro-quente, entre outras do período festivo. A estrutura montada também conta com um parque de diversões.

Tradicional no calendário dos festivais folclóricos da cidade, a festa no CSU do Parque Dez acontecerá de segunda-feira a domingo, de 18h30 até meia-noite. O destaque este ano é o cunho filantrópico do evento.

“Mais uma vez a Prefeitura de Manaus dá um exemplo para a sociedade, pois das 250 barracas que estão aqui no festival, 50 foram destinadas para Organizações da Sociedade Civil. Elas poderão trazer seus produtos para a venda e arrecadar recursos.  Além disso, parte do lucro do arraial será repassado ao Fundo Social de Solidariedade (FSS), presidido pela primeira-dama, Elisabeth Valeiko do Carmo Ribeiro. Será um recurso revertido para cuidar da população em situação de vulnerabilidade social”, explicou a vice-presidente do FSS, Mônica Santaella.

De acordo com o vice-presidente da Associação dos Moradores do Conjunto Castelo Branco, Carlos Prata, mais de 160 danças se apresentarão durante as 34 noites de festival folclórico. “O prefeito Arthur Virgílio Neto conversou conosco e depositou total confiança no evento e nessas 34 noites de festa vamos apresentar muitas atrações para todos os visitantes do festival. Vai ter muita coisa boa, vai ter segurança. É um trabalho sério que estamos fazendo para que a sociedade possa se divertir e também ajudar a quem precisa”, destacou.

Para a artesã Maria Valda Feitosa, que veio da comunidade rural Nossa Senhora do Livramento para vender seus produtos no festival e ganhou uma barraca da prefeitura, o trabalho no festival será muito importante para impulsionar seus negócios e garantir o sustento.

“Estou muito agradecida pela oportunidade, por ter recebido a barraca da prefeitura. É um grande incentivo ao microempreendedor”, destacou.

Campanha

Durante os dias de festival, a Semmasdh também estará orientando e sensibilizando o público sobre as ações em defesa da garantia de direitos de crianças e adolescentes, o combate ao trabalho infantil e à exploração sexual de crianças e adolescentes.

“Esse festival, além do entretenimento, tem um segundo foco, o social. Teremos também um trabalho de conscientização da população, como fazemos nos grandes eventos da cidade”, explicou a subsecretária da Semmasdh, Jane Mara Moraes, informando que a população pode ajudar as ações do órgão, denunciando casos encontrados por meio dos canais de denúncia, que são o 0800 092 14070800 092 6644 ou o Disque 100.

Roberto Brasil