Quadrilha é presa em flagrante pela Rocam com ecstasy e maconha

By -

O universitário Matheus Rodrigues Ribeiro Araújo, 22 anos, foi preso em flagrante com meio quilo de maconha, do tipo Skunk, e alguns comprimidos de ecstasy. Ele foi abordado em seu veículo, modelo Cruze, de cor preta, na avenida Constantinopla, no conjunto Campos Elíseos, bairro Planalto, na Zona Centro-Oeste, na companhia de Edmilson Oliveira de Lima, vulgo “Choquito”, 25 anos. Matheus cursa o último período do curso de Direito e é neto de um juiz aposentado e de uma juíza em atividade.

Além da dupla foram presos também pela Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) Felipe Antônio Pereira Araújo, 27, Thiago José Souza Martins, 27, e Lucas Batista Gurgel, de 20 anos, segundo informou o tenente Aldivan Rodrigues, supervisor de área da Rocam. Segundo ele, os primeiros a serem presos foram Felipe e o universitário do curso de agronomia Lucas Batista, que estavam em um Corsa Sedan, no Japiim, na Zona Sul.

Segundo o tenente, a guarnição fazia patrulhamento de rotina, quando avistou a dupla na avenida Rodrigo Otávio. “Os dois mostraram nervosismo, quando passamos e, então, eles pararam no posto, na Av. Tefé e resolvemos abordar. E logo quando olhamos para o painel estavam duas sacolinhas com 100 comprimidos de ecstasy”, explicou. A dupla informou que venderia os comprimidos em raves e festas de playboys e que lucraria R$ 2 mil.

Em seguida, a dupla revelou a localização de seus fornecedores: Matheus e Edmilton. “Eles falaram que o Edmilton, o ‘choquito’, fornecia a droga pelo Facebook e WhatsApp e distribuía junto com mais outro colega, que depois descobrimos ser o Matheus. Então nós o prendemos em frente ao Sesc, no Campos Elíseos”, relatou.

Conforme o oficial da Polícia Militar, Matheus revelou ainda que em sua casa, no conjunto Hileia, havia mais drogas. “Achamos mais drogas em uma jaqueta dele e dinheiro também”, afirmou. Posteriormente, Matheus entregou o seu fornecedor identificado como Thiago, que foi localizado em sua casa, na rua Albano Melo, no Parque 10. Os dois atuam na venda de entorpecente para pessoas da alta sociedade.

Droga de rico

Em posse de todos foram apreendidos mais de R$ 1 mil em espécie, mais de 150 comprimidos de ecstasy, mais de um quilo de maconha, além de seis celulares e uma caixa com mais de R$ 500 em moedas. “O Felipe e o Lucas falaram que só vendem em raves e outras festas. Os dois revelaram que encomendam o ecstasy pelo Facebook e WhatsApp, tanto que alguns comprimidos possuem o símbolo do Facebook”, detalhou.

De acordo com a delegada titular do 16º DIP, Alyne Lima, o grupo será autuado em flagrante por tráfico e associação para o tráfico de drogas e deve ser encaminhado para Audiência de Custódia.

PORTAL A CRÍTICA

Roberto Brasil