PSDB-AM realiza evento em homenagem à mulher Afroameríndia

By -

2015-07-24 20.44.33

O Tucanafro-AM em parceria com o PSDB Mulher-AM, realizou na noite de sexta-feira  (24), o Primeiro Encontro de Mulheres Afroameríndias e Caribenhas do Amazonas, na Beer Dance Eventos, no centro de Manaus, em alusão ao Dia Internacional da Mulher Negra Latina, Americana e Caribenha, que é comemorado oficialmente hoje, dia 25 de julho. A temática desta primeira edição foi “Valorizar a diversidade étnica é promover a igualdade racial”.

O presidente do PSDB Amazonas, Mário Barros, ressaltou a importância política e social do encontro. “Esta reunião mostra o engajamento do PSDB em discutir os direitos individuais e coletivos, a igualdade de oportunidades, o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica e racial praticados contra a mulher afroameríndia”, enfatizou Barros.

 

Em um auditório lotado de filiados, lideranças tucanas e representantes dos mais variados segmentos étnicos e sociais envolvidos com a questão racial, fizeram do evento um sucesso de público, onde foram abordados diversos temas relacionados à causa e luta das mulheres negras, como a discriminação, a aceitação social, o tráfico de mulheres, violência doméstica, a baixa remuneração das mulheres negras, a dificuldade de acesso à educação, o abuso e a violência sexual.

 

2015-07-24 20.11.52

Em discurso, a presidente do Tucanafro-AM, Eleomea Barroso, defendeu que o combate ao racismo deve ser incessante e diário. “É importante que não apenas no mês de julho, mas durante todo o ano, a gente possa discutir assuntos inerentes a causa da mulher negra e debater estratégias para minimizar o racismo no Brasil, onde o preconceito ainda se faz presente muitas vezes em atitudes sutis e comentários aparentemente inofensivos.  Mas a verdade é que ainda falta muito para que o  Brasil consiga dar às suas cidadãs negras a valorização que merecem”, enfatizou Eleomea.

 

Para a presidente do PSDB Mulher-AM, Cecília Otto, a ideia do encontro surgiu para dialogar sobre temas relacionados ao universo da mulher negra. “Por isso, convidamos mulheres de diferentes segmentos étnicos e sociais para expor suas ideias, e também suas conquistas e vitórias”, destacou Cecília.

 

Além dos debates, houve também a apresentação de danças de salão, exposição de artesanatos, danças indígenas, oficina de turbantes, ministrada pela professora Luciana Gorgonha e uma palestra com a mestre em Sociedade e Cultura da Amazônia, Socorro Lima.

O 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, ocorreu no ano de 1992, na cidade de São Domingo, na República Dominicana. Neste encontro, que contou com a representação de 70 países,  decorreram duas decisões: a criação da Rede de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas e a definição do 25 de julho como Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha. A principal razão para tal encontro, foi discutir as especificidades das mulheres negras dos países da América Latina que tem grandes diferenças da chamada emancipação feminina da Europa.

No Brasil, são 49 milhões de mulheres negras, que representam 25% da população brasileira.

Mario Dantas