Procon-AM e empresas de ônibus reuném-se para falar sobre má prestação de serviços

By -
Entre as reclamações dos usuários está a superlotação dos coletivos

Entre as reclamações dos usuários está a superlotação dos coletivos

A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), por meio do Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon-AM), realiza reunião técnica com representantes de 10 empresas de transportes urbanos que atuam em Manaus, nesta quarta-feira (8), às 9h, na sede do órgão (avenida André Araújo, 1.500, Aleixo, zona centro-sul).

As empresas Rondônia Ltda., Açaí Transportes, Viação São Pedro, Nova Integração, Via Verde, Expresso Coroado, Global GNZ, Transtol Ltda., Lider Ltda. e Vega foram convocadas pelo Procon-AM a prestar esclarecimentos sobre a má prestação de serviços aos consumidores.

Segundo a coordenadora do Procon-AM, as reclamações sobre o transporte coletivo ficaram mais recorrentes nos últimos seis meses. “Recebemos de 20 a 25 queixas por mês referentes ao transporte urbano, inclusive por carta. Os fiscais do Procon-AM foram às ruas e constataram que o usuário não está sendo respeitado e as empresas estão agindo em desacordo com o Código de Defesa do Consumidor, por isso, vamos ouvir os empresários e tomar as providências cabíveis”.

Queixas – Entre as reclamações que serão discutidas no encontro estão: superlotação; demora no intervalo entre os coletivos da mesma linha; não parar nos pontos de ônibus mesmo com o sinal do usuário; utilizar a faixa do meio ou da esquerda da via, o que impossibilita a parada nos pontos solicitados pelo passageiro ou o usuário que pretende usar o transporte; elevador de cadeirante quebrado; não deixar o idoso entrar pela frente, onde estão as cadeiras destinadas a esse público, e sim pela porta traseira; condições físicas precárias como bancos soltos, vidros dos retrovisores e janelas quebrados, fiação solta, campainha e luzes internas sem funcionamento; ausência de lacre de segurança nas janelas de saída de emergência, extintores de incêndio despressurizados ou fora da validade; lanternas, faróis e luzes quebrados.

Roberto Brasil