PRIMEIROS VÔOS

By -

Jefferson-Praia-banner-500x167_lateralUma jovem observou um produto que muito lhe interessou, achou o preço elevado demais, pensou um pouco e decidiu: eu posso fazer esse produto! Assim começa a história de Marcele; dona da loja Coisinhas da Ana.

Marcele nos conta sua história com brilho nos olhos e com muita motivação.  Hoje, ela tem 20 anos e estuda Economia na Universidade Federal do Amazonas. Sua jornada empreendedora começou aos 17 anos, quando ela quis comprar uma pulseira lindíssima, mas não gostou do preço. Foi então que tomou a seguinte iniciativa: “Desde pequena eu fazia aquelas pulseiras de miçangas e silicone que a maioria das crianças fazem e sempre gostei. Então, vi que eu podia fazê-las para uso pessoal e até vendê-las já que minhas amigas e minha família tinham gostado do que eu tinha feito.”

A mãe de Marcele comprou R$ 50,00 (cinqüenta reais) de matéria-prima para que ela fizesse suas pulseiras. A idéia inicial era que ela confeccionasse as pulseiras apenas para uso pessoal. Começou vendendo para os parentes que a ajudaram na divulgação postando na internet. Com a percepção de que existia uma oportunidade no mercado de acessórios e a vontade de ter seu próprio dinheiro, ela deu os primeiros passos na produção de seus produtos. Paulatinamente foi aprendendo a fazer produtos melhores, vendendo mais e poupando o dinheiro para reinvesti-lo. Em casa, a família ainda não acreditava que o negócio fosse dar certo.

Marcele, muito tímida inicialmente, cria a sua lojinha – como ela gosta de chamar, no nome de sua mãe: Coisinhas da Ana e a disponibilizou no Facebook. A mãe não gostou da idéia e pediu-lhe que trocasse o nome da loja. Ela não o fez. Talvez quisesse apenas continuar homenageando-a. As vendas foram aumentando. Adivinhe quem entregava os produtos? Dona Ana. Marcele tinha vergonha de entregar. Até que certo dia, dona Ana disse a Marcele: “está na hora de você assumir o seu negócio.”

O passo seguinte: participar de um evento, um bazar. A mãe ficou preocupada, pois não era barato comprar um stand para expor em um bazar. Marcele acreditou e foi avante na idéia. Resultado: se deu bem. Com o crescimento das vendas nas redes sociais e um bom desempenho na participação de eventos, a família acreditou na iniciativa empreendedora de Marcele.

“Eu comecei na cara e na coragem.” Disse-me Marcele. Errou diversas vezes, aprendeu fazendo; Seu sonho é, em cinco anos, ter sua loja consolidada e criar o seu site virtual. Ela deseja expandir para todo o ramo de acessórios.

Marcele é uma jovem empreendedora!  Tem seu pequeno negócio aos 20 anos. Gosta do que faz, tem criatividade, enfrenta o risco, é persistente, busca informações, esta desenvolvendo sua capacidade de comunicação com as pessoas e percebe que ainda a espaço a ser ocupado no mercado. Já entendeu que para vencer no mundo dos negócios vai ter que se dedicar bastante, pois não é fácil empreender no Brasil.

Roberto Brasil