Preso trio envolvido em latrocínio

By -

trio-envolvido-em-latrocinioA Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe do 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), prendeu na manhã desta quinta-feira, dia 2, por volta das 6h, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, o carregador de mercadorias Sansão de Souza Moura, 20; o irmão dele, o técnico em refrigeração Alexssandro de Souza Oliveira, 23, e o autônomo Tiago de Souza Freire, 25, pelo latrocínio do motorista carreteiro e ex-soldado da Polícia Militar Manoel Bezerra dos Santos Filho, ocorrido no dia 16 de maio deste ano. A vítima tinha 56 anos.

De acordo com o titular do 14º DIP, Danilo Bacarin, os infratores eram conhecidos da vítima. O delegado afirmou que a autoria do crime foi descoberta após pouco mais de duas semanas de investigações, período em foram realizadas diligências e oitivas de testemunhas. “A partir das informações levantadas representei o pedido de mandado de prisão preventiva em nome dos infratores. O documento foi expedido pela juíza do Plantão Criminal, Ana Lorena Teixeira Gazzineo”, disse.

Conforme Bacarin, Sansão e Alexssandro foram presos na casa onde moravam, localizada na Rua das Esmeraldas, Conjunto Nova Floresta, bairro Tancredo Neves, zona Leste. Os irmãos moravam perto da residência de Manoel e o conheciam. Inclusive, jogavam bola com o filho dele. Tiago foi interceptado dento de um ônibus coletivo, na Avenida Itaúba, bairro Jorge Teixeira, zona Leste, nas proximidades da Bola do Produtor. Este último, segundo o delegado, mantinha um relacionamento com a sobrinha da vítima e teria repassado informações sobre a rotina da casa de Manoel.

“Tiago estava preso e recentemente saiu da cadeia. Todos na família acreditavam que ele estava regenerado e confiaram nele. Ele almoçava, jantava, passou Natal na casa de Manoel e sabia detalhes do dia a dia da casa, como por exemplo que horas a vítima saía para preparar a carreta para trabalhar. Manoel e a esposa tinham uma loja de roupas no imóvel e o infrator sabia que pela manhã tinha mais dinheiro no caixa. Foi tudo planejado por ele e a ação criminosa foi executada pelos irmãos”, explicou o delegado.

Danilo Bacarin ressaltou que o latrocínio ocorreu na madrugada do dia 16 de maio deste ano, por volta das 5h, na casa de Manoel, localizada na Travessa dos Diamantes, Conjunto Nova Floresta, bairro Tancredo Neves, zona Leste.

“A vítima foi abordada pelos infratores no momento em que abria o portão de casa. Após desferirem uma coronhada na cabeça de Manoel, os irmãos o levaram para a garagem. A intenção deles era entrar na loja. Temendo pela vida da família o motorista reagiu e travou luta corporal com Alexssandro, que acabou desarmado. Ocasião em que Sansão efetuou um disparo de arma de fogo no rosto de Manoel. Em seguida os infratores fugiram, sem levar nada”, explicou o titular do 14º DIP.

Manoel ainda chegou a ser socorrido com vida por um vizinho. Primeiramente foi levado para o Hospital e Pronto-Socorro Doutor Aristóteles Platão Bezerra de Araújo, na zona Leste. De lá ele foi transferido para o Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona Centro Sul, onde veio a óbito dois dias depois do crime, precisamente no dia 18 de maio deste ano, por volta das 20h. “No período em que esteve internado Manoel conseguiu se comunicar normalmente e relatou que conseguiu identificar Sansão e Alexssandro como os autores da ação criminosa”, informou Bacarin.

Em depoimento os infratores alegaram inocência, mas, segundo o delegado, as provas de que eles participaram do crime são contundentes. “Tanto é que a juíza do plantão concedeu o mandado rapidamente e com a mesma celeridade demos a resposta. Eles estavam ameaçando a esposa de Manoel, que presenciou o fato, e os familiares dela. É importante destacar que eles têm passagem pela polícia e fazem parte de um grupo que pratica roubos na cidade e age sempre com bastante violência”, enfatizou o delegado.

Alexssandro, Sansão e Tiago foram indiciados por latrocínio. Ao término dos procedimentos legais eles serão encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irão permanecer à disposição da Justiça.

Roberto Brasil