Presidente da Guatemala renuncia em meio a acusações de corrupção

By -
Otto Pérez

Otto Pérez

O presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, renunciou nesta quarta-feira (2) ao cargo a fim de “manter a institucionalidade do Executivo”.

O porta-voz oficial da presidência, Jorge Ortega, afirmou que o presidente assinou a carta de renúncia às 19h locais (22h em Brasília).

O objetivo, segundo o porta-voz, é “manter a institucionalidade e a ordem que corresponde dentro do Estado”, além de enfrentar “de maneira individual” o devido processo.

A renúncia do presidente está agora nas mãos do Congresso do país centro-americano, que deverá aprovar ou não sua saída, e, em caso positivo, nomear o vice-presidente, Alejandro Maldonado, como novo mandatário, segundo estabelece a lei guatemalteca.

Pérez Molina é acusado de liderar uma rede de corrupção no ente arrecadador de impostos do país e desde ontem, quarta-feira, pesa sobre ele uma ordem de detenção.

O general reformado perdeu sua imunidade e privilégios na terça-feira após a votação unânime de 132 deputados, depois que o Ministério Público e a Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG) o acusaram de corrupção em 21 de agosto.

De acordo com a investigação de mais de 18 meses de ambas entidades, Pérez Molina supostamente dirigia uma rede clandestina dentro da Superintendência de Administração Tributária (SAT), com a cumplicidade de pelo menos 28 pessoas, entre elas a ex-vice-presidente, Roxana Baldetti, presa desde 21 de agosto.

O porta-voz presidencial acrescentou que a decisão de Pérez Molina foi difícil, mas que, apesar dela, o presidente segue defendendo sua inocência.

No entanto, argumentou que o desenvolvimento dos eventos o obrigaram a tomar esta decisão.

O juiz Miguel Ángel Gálvez, responsável pelo caso, ditou ontem quarta-feira uma ordem de detenção contra o líder.

Ortega declarou que não sabe se este foi o estopim para que Pérez Molina decidisse deixar o cargo.

O advogado pessoal do presidente, César Calderón, havia dito ontem à Efe que, para evitar que Pérez Molina seja levado “à força” pelas autoridades, se apresentariam de forma voluntária perante o juizado esta manhã, mas não especificou a hora.

O presidente, que tomou posse do cargo em 14 de janeiro de 2012, tinha reiterado desde que foi acusado que não renunciaria para garantir a realização das eleições gerais do próximo domingo. EFE

Roberto Brasil