Prefeitura começa a identificação das famílias que deverão ser afetadas pela cheia

By -

O trabalho começa com o cadastramento das famílias que tiveram ou terão suas casas atingidas pela cheia do rio Negro

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) e Defesa Civil, começa a identificação de famílias que deverão ser afetadas pela cheia do Rio Negro, neste ano. A Operação SOS Enchente 2017, começa nesta segunda-feira, 17/4, na Rua Ana Nogueira, beco São João, bairro Educandos. O trabalho conta também com a participação das secretarias municipais de Saúde (Semsa), de Limpeza Urbana (Semulsp), de Infraestrutura (Seminf) e Subsecretaria do Centro Histórico (Subsemch).

O trabalho levará serviços socioassistenciais que visam apoio e proteção à população atingida pela enchente, com a oferta de atenções e provisões materiais, conforme as necessidades detectadas.

No primeiro momento, as residências com risco de alagação serão identificadas para posterior concessão do Auxílio Aluguel, no valor de R$ 600, pago em duas parcelas mensais de R$ 300, além de benefícios eventuais (cesta básica, rede, colchão e lençol).

Segundo estimativas, pelo menos 3.500 famílias dos bairros Educandos, Raiz, Betânia, Presidente Vargas, Cachoeirinha, entre outros dez bairros, além de 13 comunidades da zona Rural, serão afetadas. De acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) a cheia deste ano, está prevista para variar entre 29,25m e 29,95m.

É importante destacar que o Auxílio Aluguel só será liberado após o município decretar Estado de Emergência. A estimativa é que sejam gastos mais de R$ 6 milhões com a Operação SOS Enchente 2017.

A Semsa estará com 133 profissionais de saúde envolvidos, dando orientações sobre as doenças decorrentes das enchentes (leptospirose, doenças diarreicas, hepatite A, tétano acidental, síndrome gripal, meningite, problemas respiratórios, acidentes com animais peçonhentos e por traumas, feridas e afogamentos). Também haverá distribuição de hipoclorito de sódio, censo vacinal e vacinação, aferição de pressão, encaminhamentos médicos, inspeção sanitária, controle de roedores e inspeção de depósitos de água, para checagem de focos do mosquito Aedes aegypti, entre outras ações.

Roberto Brasil