Prefeito conclui mudanças no secretariado

By -
A nova reforma política trará um economia de R$ 570 milhões ao município

A nova reforma administrativa trará um economia de R$ 570 milhões ao município

O prefeito de Manaus, Artur Virgílio Neto, divulgou, nesta terça-feira, 28, as últimas mudanças no seu secretariado, que se somam ao projeto da nova reforma administrativa anunciada para este ano e que prevê uma economia anual de R$ 570 milhões.

Durante o lançamento de uma parceria entre a Escola do Serviço Público (Espi) com outras instituições que contribuem para a qualificação dos servidores públicos, o prefeito apresentou o novo secretário municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad), o vereador Gilmar Nascimento (PDT), que cumpre seu quarto mandato como vereador, é advogado criminal e também formado pela Escola Superior da Magistratura.

“O secretário Serafim Meireles teve um ótimo desempenho e o secretário que agora assume também é uma figura extremamente preparada, com experiência em Gestão Pública e que vem para trazer sua contribuição para o nosso governo”, afirmou o prefeito.

Arthur também revelou que o ex-vereador Luís Alberto Carijó (PTB) assumirá a Secretaria Municipal Extraordinária (Semex), que cuidará da articulação, junto ao Governo Federal, para liberação dos recursos internacionais hoje emperrados na Secretaria do Tesouro Nacional.

“Minha meta é ainda nesta semana concluir todas as nomeações, completando uma etapa que fiz bem medida, bem pensada, visando chegar ao melhor resultado. O que queremos é enfrentar a crise econômica que aí está sem que a cidade de Manaus saia prejudicada na sua capacidade de investimentos”, destacou.

Completando as mudanças, o vereador SildomarAbtibol (Pros) será nomeado como novo secretário municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), cargo até então ocupado por Elvys Damasceno, que voltará a ser subsecretário. O ex-secretário municipal do Centro (Semc), Raphael Assayag, volta ao Executivo Municipal, agora respondendo pela Iluminação Pública, setor que após a sanção do projeto de lei da reforma administrativa será ligado à Casa Civil.

Roberto Brasil