Preço da Farinha de Mandioca sofre aumento devido a cheia

By -

farinhaDa Redação – A Farinha nossa de cada dia vai ficar mais cara devido a repentina enchente que chegou mais cedo. Em todo o Amazonas, o consumo da iguaria é comum e se transformou em uma opção com frequência na mesa do amazonense, que não desperdiça a oportunidade de utilizar a Farinha seja em que prato for.

As áreas de várzea costumeiramente são utilizadas para o plantio de Mandioca, como essas referidas áreas estão sofrendo com a enchente, presumisse que teremos pouca produção este ano, ficando restrita apenas às regiões de terra firme.

O secretario geral da Associação Amazonense de Municípios, Tabira Ferreira, que também é prefeito de Japurá, afirmou que os produtores de Farinha já estão sentindo na pele o problema da enchente. “Hoje estamos vendo essa realidade da subida das águas dos rios. As áreas de várzea já estão comprometidas e a produção de Mandioca, assim como a Fabricação de Farinha, vai sofrer um baque muito grande, pois a enchente chegou e ela deve ser uma das maiores. Os primeiros levantamentos mostram isso. Em virtude deste fato, volto a destacar o apoio do governador José Melo que por ser um homem do interior sabe muito bem o sufoco que os prefeitos estão passando. Ele não está medindo esforços para atender todos os pedidos que a Associação tem feito”, destacou Tabira.

A região do Alto Solimões, especificamente os municípios de Tefé e Uarini, se tornou o maior fabricante de Farinha do Amazonas, produzindo toneladas do produto anualmente e o que é melhor: em terra firma. Todavia, mesmo assim o preço deverá sofrer reajuste, pois o consumo tem aumentado periodicamente. Já a região de Cruzeiro do Sul, no estado do Acre, se notabilizou por fabricar uma Farinha de grande aceitação no mercado e ocorreu a diversificação do produto.

Mas esperasse que mesmo com a subida das águas, os produtores de Farinha de terra firme possam produzir o produto, sem elevação de preço, hoje o valor do quilo da Farinha varia dos R$ 3 aos R$ 8. (Kennedy Lyra)

Roberto Brasil