Prato do Cidadão do Amazonas serve 9 milhões de refeições em 13 anos

By -

O idoso sem família e emprego, a merendeira, mãe de duas filhas, que não tem carteira assinada há 20 anos e o desempregado com  família de cinco pessoas, natural de São Paulo, comem diariamente arroz, feijão, macarrão, proteína, salada e farofa por R$ 1. Esse é o perfil do público dos   restaurantes populares “Prato do Cidadão” no Amazonas.

A unidade do Prato Cidadão do Novo Israel, zona norte, comemorou treze anos, nesta quarta-feira, dia 26 de julho, com cardápio especial,  embalado por Música Popular Brasileira e Samba de Raiz. O “Parabéns Pra Você”, com direito a bolo, foi cantado por homens, mulheres, crianças e idosos da comunidade assistida com alimentação.

Dona Roma, como é conhecida, a aposentada, Romélia Rodrigues, almoça sempre no Prato do Cidadão e faz questão de levar seu molho de pimenta caseiro que divide entre os companheiros. Risonha e de bem com a vida, ela enfatiza que gosta do projeto não só por atender as pessoas com dificuldades econômicas, mas, também pela interação, convivência e solidariedade. Ela própria costuma oferecer ajuda para os mais necessitados.

A iniciativa de alimentar pessoas com vulnerabilidade social é do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), em parceria com a iniciativa privada, através do Projeto Garantia do Direito Humano à Alimentação que se divide entre o Prato do Cidadão e o S.O.S Cidadão que serve “sopões”.

Segunda a Seas, mais de 9 milhões de refeições foram servidas  para aproximadamente  240 mil pessoas, durante os 13 anos de funcionamento do projeto, com investimento de R$ 7 milhões do Governo Estadual.

Na unidade do Novo Israel são 42 mil pessoas cadastradas. Uma delas, “Seo” Antônio Silva, 63, auxiliar de pedreiro, há muito tempo está desempregado. Ele conta que “é separado” e os filhos “seguiram o caminho”.

“Se não fosse esse almoço, não sei como sobreviveria. À noite, eu como um pãozinho com café e espero o outro dia chegar para almoçar”,  desabafa Antônio, com um sorriso nos lábios. A frequência dos restaurantes populares é de desempregados, moradores de rua, estudantes, trabalhadores  com baixa renda, pessoas portadoras de deficiência, entre outras pessoas com dificuldades financeiras.

Para ter acesso às refeições a pessoa só precisa apresentar carteira de identidade e CPF na hora de retirar as senhas, a partir das 7:30h,  no próprio local. Mais de 500 pratos, média de 700 calorias, são servidos de segunda a sexta-feira.

O atendimento preferencial fica para idosos, acima de 60 anos, gestantes,  pessoas com deficiência e pessoas com criança no colo. As refeições são servidas das 11 às 13h.

No cardápio do Prato Cidadão, arroz, feijão macarrão, farofa e salada acompanham carne, frango ou peixe. O Mais calórico dos pratos é a dobradinha, 780 calorias, servida nas sextas e preferida dos  frequentadores.

“Todos os procedimentos de higiene, assepsia e nutrição são tomados. Fazemos o controle da qualidade, observando o sabor, se está salgado e em condições ideais para o consumo”, relata o Gerente do Prato do Cidadão do Novo Israel, Felisberto Brito.

A unidade do Novo Israel consome diariamente 50kg de feijão, 58kg de arroz, 45kg de macarrão, 80kg de proteína,  30kg de salada e 15kg de farofa. Atualmente, existem 5 unidades de restaurantes populares e 3 unidades de sopões em funcionamento para atender as áreas de grande fluxo de pessoas e de maior vulnerabilidade social.

As unidades do Prato Cidadão estão localizadas na rua dos Andradas,  Centro de Manaus; e nos bairros Compensa (Avenida São Pedro),  Alvorada (Rua 12)  Novo Israel (Rua Bom Jesus)  e Jorge Teixeira (Rua Nova Esperança).

Já as unidades do S.O.S Cidadão, que oferecem sopões, encontram-se nas comunidades Alfredo Nascimento (rua Marcos Cavalcante) Parque São Pedro (rua Edwiges) e Rio Piorini (Alameda Rio Negro).

Roberto Brasil