Polícia prende ex-vice-governador do DF

By -
Benedito Domingos também é acusado de ter vendido ilegalmente um terreno da igreja na qual é pastor

Benedito Domingos também é acusado de ter vendido ilegalmente um terreno da igreja na qual é pastor

O ex-deputado e ex-vice-governador do Distrito Federal Benedito Domingos se tornou o primeiro político preso depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que condenado em segundo grau judicial já pode ter a pena executada. Domingos foi localizado na noite desta sexta-feira, 4, por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Condenado a cinco anos e oito meses de reclusão por fraude em licitações e a quatro anos por corrupção passiva, Domingos teve a prisão decretada em julgamento realizado na quinta, 3, na Sexta Turma do STJ). Por três votos a dois, a Corte acolheu pedido do Ministério Público Federal e determinou a expedição de mandado de prisão contra o político.

Nesta sexta, policiais da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual da Polícia Civil do Distrito Federal cumpriram a ordem do STJ no Hospital Santa Marta, em Taguatinga, onde Benedito Domingos está internado. Ele poderá ser transferido para o Complexo Penitenciário da Papuda se sua defesa não tiver êxito com algum recurso.

A expedição do mandado de prisão, para cumprimento inicial em regime semiaberto – que seguiu o voto do relator, ministro Rogerio Schietti Cruz – foi tomada pelo colegiado no STJ ao rejeitar recurso por meio do qual os advogados do ex-parlamentar pretendiam abrir caminho para levar o caso ao Supremo. Ficaram vencidos os ministros Maria Thereza de Assis Moura e Sebastião Reis Júnior.

As informações foram divulgadas no site do STJ. Membro da Câmara Legislativa do Distrito Federal até 2014, Benedito Domingos tem contra si também a acusação de que teria usado de ‘prestígio político para fazer com que a empresa de um filho ganhasse várias licitações no DF’.

Em um dos processos, Benedito Domingos, que também é advogado, foi denunciado por supostamente ter tentado ludibriar a igreja da qual é pastor no Distrito Federal. Ele teria vendido por R$ 7 milhões, sem autorização da congregação, um terreno de cerca de 70 mil metros quadrados que a Terracap havia cedido para a Assembleia de Deus construir uma sede em Samambaia.

*Estadão Conteúdo

Roberto Brasil