Polícia Federal deflagra a 29ª etapa da Operação Lava Jato

By -
Movimentação na sede da Polícia Federal em Curitiba

Movimentação na sede da Polícia Federal em Curitiba

A Polícia Federal realiza na manhã desta segunda-feira a 29ª fase da Operação Lava Jato. Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva e dois mandados de prisão temporária. Os agentes cumprem mandados em Brasília, Pernambuco e no Rio de Janeiro. Os investigadores encontraram indícios de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva envolvendo contratos em obras da Petrobras.

O alvo principal da 29ª fase, batizada de Repescagem, é o ex-assessor João Claudio Genu, braço direito do ex-deputado federal José Janene, morto em 2010 e um dos nomes já julgados no escândalo do mensalão. Ele foi detido em Brasília. Também é alvo dos policiais Lucas Amorim, apontado como responsável por receber propina do doleiro Alberto Youssef em nome de Genu.

No esquema de compra de deputados federais para a formação da base aliada do então recém-eleito governo Lula, em 2003 e 2004, João Cláudio Genu, que atuava como assessor do Partido Progressista (PP) era o encarregado oficial da legenda para receber a propina do valerioduto. Na época, o Ministério Público imputou ao ex-asssessor a suspeita de ter sacado 1,1 milhão de reais em dinheiro vivo da SMP&B, agência de publicidade controlada por Marcos Valério.

Na Operação Lava Jato, os indícios são de que Genu continuou recebendo propina durante o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal e também pelo menos até 2013, quando já estava condenado. Em março de 2014, por seis votos a quatro, o plenário do Supremo anulou a condenação do ex-assessor pelo crime de lavagem de dinheiro ao julgar embargos infringentes. Ao contrário de políticos e empresários apenados no mensalão, ele conseguiu se livrar de todas as acusações no primeiro grande esquema de corrupção do governo Lula: além de ter revertido a condenação por lavagem na fase de recursos, a pena de um ano e quatro meses imposta a ele por corrupção passiva prescreveu.

(Com VEJA)

Roberto Brasil