PMDB e PT se uniram novamente, agora contra delações premiadas

By -

Em 2011, líderes do PMDB e do PT na Câmara comemoravam ‘casamento’ entre as siglas

O que o impeachment separou só a Lava Jato é capaz de unir. Depois de um divórcio litigioso, PMDB e PT voltaram a se entender em ao menos uma coisa. Os dois partidos querem impor um freio às delações premiadas.

O alvo da vez é o acordo de Joesley Batista, o empresário que entregou Michel Temer em troca de perdão judicial. Desde que foi gravado nos porões do Jaburu, o presidente faz de tudo para desqualificar o acusador.

Antes da indiscrição, o dono da JBS era um amigo generoso, que financiava campanhas e emprestava o jatinho para viagens particulares. Agora foi reduzido a um “bandido notório”, cuja palavra não merece crédito. Parece ingratidão, mas é só desespero para salvar o mandato.

Nesta quarta, Temer ganhou um apoio inesperado. O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini, engrossou o coro contra o acordo da Procuradoria com Joesley. O deputado afirmou que as delações da JBS “devem ser revistas”. Ele alegou que o empresário precisa sofrer uma “penalização” pelos “prejuízos causados ao país”.

O petista defendeu uma tese simpática: Joesley cometeu tantos crimes que merecia pegar ao menos uma prisão domiciliar. O problema é que os políticos não se movem pelo senso de justiça do cidadão comum. Eles criticam as delações porque querem se livrar de seus efeitos.

O líder do PT defendeu a “revisão” dos acordos no mesmo dia em que o Supremo começou a julgar o tema. O debate é vital para o futuro da Lava Jato. Se a corte melar o trato da JBS, abrirá uma brecha à anulação de dezenas de outros depoimentos.

O ministro Gilmar Mendes, sempre ele, fez ataques à investigação. Ele acusou a Procuradoria de tentar “reescrever a lei” para facilitar punições. Coube ao decano Celso de Mello lembrar que as delações têm sido “excepcionalmente eficazes” no combate a crimes de corrupção.

Quando a sessão foi interrompida, o placar era favorável à manutenção dos acordos: 2 a 0.

(Com BERNARDO MELLO FRANCO/FOLHAPRESS)

Roberto Brasil