PF encontra local onde Geddel escondia propina

By -

Dinheiro encontrado no local que supostamente seria usado por Geddel Vieira Lima (Polícia Federal/Divulgação)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (05), a Operação Tesouro Perdido, mais uma fase da Operação Cui Bono? que investigava uma quadrilha que arrecadava propinas na Caixa Econômica Federal entre os anos de 2011 e 2013. Segundo informações divulgadas pela PF, foram cumpridos mandados de busca e apreensão emitidos pela 10ª Vara Federal de Brasília.

A partir das provas coletadas nas últimas fases da Cui Bono, a PF chegou a um endereço em Salvador, na Bahia, que supostamente seria utilizado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima para armazenar dinheiro vivo.

Segundo a PF, foram encontradas no local malas com “grande quantia de dinheiro em espécie”, que serão levadas a um banco para que o valor seja devidamente contabilizado e depositado em conta judicial.

Malas de dinheiro encontradas no endereço em Salvador que seria usado como “bunker” de Geddel. (Polícia Federal/Divulgação)

A quem interessa?

A Operação Cui Bono? (expressão em latim que significa ‘a quem interessa?’) é um desdobramento da Operação Catilinárias, deflagrada em dezembro de 2015, na qual foi encontrado um celular na casa de Eduardo Cunha— um dos investigados — com troca de mensagens comprometedoras entre o ex-deputado e o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Vieira Lima foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013, justamente durante o período de investigação da PF. Entre os documentos encontrados pela polícia, estavam papéis com uma relação de empresas que pleitavam empréstimos e financiamentos na Caixa, além de informações sobre juros e transações.

Há ainda outro material, chamado de “Pendência Geddel”, que listava uma série de operações de crédito envolvendo empresas. Além de Geddel e Cunha, Lúcio Funaro e Cleto também foram alvos da investigação.

VEJA

Roberto Brasil