Pesquisa investiga suplementação nutricional de tambaqui no AM

By -

pesquisa-tambaqui-2Estudo fomentado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) investigou o uso de suplementação de vitamina tiamina (B1) na nutrição de peixes jovens da espécie tambaqui no Amazonas. A pesquisa foi realizada pela estudante universitária de Zootecnia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Lorena Ianka Pontes da Silva, sob a orientação do pesquisador da Embrapa da Amazônia Ocidental, Jony Koji.

Segundo a jovem pesquisadora, os resultados do estudo apontam a inexistência do efeito da suplementação de tiamina (B1) no desempenho animal. Entretanto, foi possível verificar diferenças significativas entre os níveis de carboidratos. “Peixes alimentados com a dieta de 35% de carboidratos apresentaram maior ganho de peso”, disse Lorena.

pesquisa-tambaqui-1A proposta da pesquisa, desenvolvida no âmbito do Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) da Fapeam, era determinar a capacidade de juvenis de tambaqui utilizarem a suplementação B1 para otimizar o aproveitamento do carboidrato, pois, segundo a estudante e seu orientador, ingredientes que contêm este nutriente apresentam de forma geral um custo menor e podem diminuir o preço da ração para o tambaqui. “O tambaqui é um peixe onívoro, cuja literatura aponta que peixes onívoros possuem maior capacidade de digestão de carboidratos se comparado a peixes carnívoros. É a espécie nativa mais criada no país e tem grande mercado consumidor no Estado do Amazonas, particularmente em Manaus. Suplementar a nutrição da espécie pode proporcionar ganhos no desempenho zootécnico e diminuir os custos de produção”, explicou Lorena.

A universitária acrescentou que a suplementação foi realizada apenas com juvenis de tambaqui porque nesta fase inicial a curva de crescimento da espécie apresenta um comportamento exponencial. “Experimentos de nutrição realizados neste período demonstram resultados mais rapidamente”, disse a estudiosa.

Roberto Brasil