Parentes fazem ‘vaquinha online’ para ajudar idosa a reconstruir flutuante furtado

By -

Antes e depois da casa flutuante da dona Zilma de Manacapuru – Divulgação

“Precisamos de ajuda para reconstrução da casa flutuante da vozinha. Pois o mesmo foi roubado no dia 11 de julho de 2017 e encontrado cinco dias depois totalmente destruído”. Assim começa a mensagem de apelo feita na internet no site “Vakinha” para ajudar dona Zilma Nascimento, de 75 anos, a reconstruir a casa flutuante que foi roubada e destruída por criminosos neste mês. 

Após o roubo do flutuante, a polícia encontrou, no último domingo (16), o que restou do flutuante. Sem o teto e as paredes, o que antes era o lar de dona Zilma, agora restou apenas a base do assoalho e as boias.

Sem dinheiro, parentes da idosa estão fazendo a “vakinha” pela internet para ajudar na reconstrução do lar. Em um dia de campanha, apenas uma pessoa se mobilizou para ajudar na causa com R$ 20. A família espera que mais pessoas se solidarizem com a situação e entendam a dificuldade de morar em áreas ribeirinhas da Amazônia com o pouco dinheiro da aposentadoria.

Quem teve a ideia de fazer a campanha foi a filha da dona Zilma, a dona de casa Odisséia Meirelles, de 42 anos. A neta Cleiciane Meirelles, de 20 anos, começou a ajudar na divulgação da campanha. Segundo ela, ninguém ainda realmente se solidarizou com a situação da avó.

Para ajudar basta acessar o link disponibilizado na matéria – Reprodução

O que restou do flutuante foi encontrado no rio Solimões, nas proximidades da Ilha da Machetaria, no município de Iranduba (a 27 km da capital amazonense). No local, tábuas boiando identificavam a procedência da madeira, pelas cores pintadas – as mesmas utilizadas na reforma recente feita pela proprietária.

Como ajudar?

Se você se solidarizou com a história da dona Zilma, pode acessar o site clicando aqui e depois no botão “Contribua”. Pronto, você já terá feito a sua parte.

Segue na íntegra a descrição da história no site:

“A vozinha comprou um terreno localizado na Ilha de Santo Afonso, em frente a cidade deManacapuru-AM. A vozinha e seu esposo Francisco trabalhavam na agricultura para o seu sustento, juntos construíram uma casa com 50 metros quadrados para eles morarem. Durante o fenômeno da natureza que acontece todos os anos, a cheia, eles resolveram transformar a casa em uma casa flutuante. Com muito esforço passaram 4 anos na construção da casa flutuante com madeira de Lei. Só que no dia 11 de julho de 2017, o mesmo foi roubado dando início ao sofrimento do casal e de toda a família da vozinha. No dia 16 de Julho 2017, ele foi localizado totalmente DESTRUÍDO”.

Flutuante roubado

A casa flutuante da idosa foi furtada em uma área conhecida como “Prainha”, a 68 quilômetros de Manaus. Segundo a Polícia Civil, a suspeita é de que dois homens e uma mulher levaram a residência do local com a ajuda de um barco de grande porte. O caso é investigado.

Roberto Brasil