José Ricardo: “Quem deve defender o governo é o líder do Omar e não o do PT”

By -

DEPUTADO-JOSE-RICARDO 01

O deputado estadual José Ricardo (PT) confirmou ao BLOGdaFLORESTA que vai assumir a partir de fevereiro, a liderança do PT na Assembleia Legislativa do Estado (ALE). De acordo com ele, uma discussão e votação ainda em 2010 no Diretório Regional garantiu a rotatividade. “Nos primeiros dois anos foi o Sinésio. Agora eu serei o líder e o partido vai enviar comunicado a Mesa Diretora da ALE”, diz.

Ao contrário de Sinésio Campos, José Ricardo é conhecido pelo distanciamento da base aliada do governo estadual. A postura, segundo ele, não mudará e não há “pressão” que altere sua personalidade. “Minha função é defender os interesses da coletividade e os interesses do PT. Quem defende o governo estadual é líder do governador Omar, no caso do deputado Sinésio e o líder da maioria na Aleam, no caso do deputado Chico Preto (PSD). Vou continuar com a mesma postura”, anuncia o petista.

Quanto a possibilidade “dessa postura” deixar o PT que é aliado do governo estadual, do presidente João Pedro e do líder do governo Sinésio Campos em situação de desconforto e até gerar uma crise política, com Omar Aziz, Zé Ricardo é taxativo. “Foi o partido quem decidiu que eu serei o líder na Aleam. Vou me dedicar ao máximo. Não me interessa outras coisas. O Sinésio ficou como líder do governador Omar porque quis e porque o Omar convidou ele. Temos alguns pontos a discutir, como exemplo, a situação de abandono do interior do Estado”, afirma.

Ele ressalta que a bancada de oposição na Aleam, que inclui ainda os deputados Marcelo Ramos (PSB) e Luiz Castro (PPS) votou em 90% com os projetos do governo que estão em sintonia com a população. Na liderança do PT, ele pretende cobrar maior discussão das Comissões nos projetos dos demais deputados. “O Legislativo é independente e se não fosse isso, para quê a população vota em 24 deputados?”, questionou o parlamentar, acrecentando que irá “lutar para haver uma participação maior da população sobre a Lei Orçamentária  (LOA) e ainda o deputado poder colocar emendas e elas serem aceitas”, assegurou o petista.///Hudson Lima

Redação