Para apoiar combate ao desmatamento no Sul do Amazonas, WWF-Brasil realiza cursos de capacitação em Apuí

By -

Boiada na MT-208

O WWF-Brasil promove esta semana, no sul do estado do Amazonas, dois cursos que tem por objetivo ajudar no combate ao desmatamento da Amazônia registrado naquela região.  

 Os cursos ocorrem em Apuí, a 450 quilômetros de Manaus, e vão tratar de pecuária sustentável e do Sistema Nacional do Cadastro Ambiental Rural (Sicar). As atividades são voltadas para extensionistas rurais de organizações que já lidam com esse tema e que poderão usar os novos conhecimentos para aperfeiçoar o seu trabalho.

 Possibilidades

 A primeira atividade é o Treinamento para aplicação do Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS), que acontece nos dias 18 e 19 de outubro. Como o próprio nome indica, este curso tem a finalidade de levar, a um grupo de produtores rurais, os fundamentos da pecuária sustentável e as possibilidades de aplicação desta modalidade no Apuí.

 O curso contempla atividades teóricas e práticas e, entre os temas que serão tratados estão a legislação sobre o assunto, documentos de referência, princípios, critérios, indicadores e exemplos de experiências bem-sucedidas. O WWF-Brasil possui mais de uma década de experiência com a pecuária sustentável no Pantanal e levará essa experiência ao Apuí.

 O Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS) é um conjunto de normas e diretrizes, criadas em conjunto com produtores e fazendeiros, que busca diminuir a pegada ecológica desta atividade econômica.

 Uso responsável

 Ele prevê que as fazendas que o adotem sigam princípios e critérios que tornem a criação dos rebanhos uma atividade o mais “natural” possível – que haja convívio harmonioso, por exemplo, com a flora e fauna regional; que os recursos naturais sejam utilizados de forma responsável; e que as leis trabalhistas e ambientais sejam respeitadas e cumpridas.

 Outros critérios levados em consideração são a proteção de nascentes; a proibição de uso de fogo no manejo de pastagens; a não aplicação de químicos na alimentação dos bois e vacas e o bem-estar dos animais.

 Cadastro

 A outra capacitação a ser ofertada é o Treinamento sobre CAR e o uso do SiCAR. Também composta por momentos teóricos e práticos, a capacitação vai explicar, aos atores sociais do Apuí, detalhes de funcionamento desse sistema. Na ocasião, eles serão instruídos em como instalar programas, baixar imagens, fazer cadastros, enviar e retificar informações neste  banco de dados e inserir informações sobre propriedades rurais.

 O Sicar é o Sistema Nacional que operacionaliza o Cadastro Ambiental Rural (CAR).  O CAR ajuda na regularização ambiental de propriedades e posses rurais de todo o País. Ele lista e organiza as informações de sítios e fazendas; e os estados e a União utilizam esses dados para promover ordenamento territorial.

 A ideia do Governo Federal é implementar o CAR em todo o Brasil – atualmente, apenas 10% das propriedades rurais de Apuí possuem registros neste cadastro.

 Eficiência

 De acordo com a analista de conservação do WWF-Brasil, Lorenza Cordeiro, esses cursos buscam aperfeiçoar o trabalho dos atores sociais do Apuí. Por meio dos novos conhecimentos que serão adquiridos nessas capacitações, eles poderão desempenhar seu trabalho de maneira mais “eficiente” e “interessante”.

 “Adotando as diretrizes da pecuária sustentável e aprendendo utilizar o Sicar, os servidores dos órgãos públicos e os profissionais que atuam em ONG’s podem contribuir com o redução do desmatamento daquela região. Desta forma, diminuímos as pressões sobre as florestas e ajudamos a conservar a biodiversidade da área”, explicou Lorenza.

 Empoderamento e capacitação

 O WWF-Brasil trabalha no Sul do Amazonas promovendo a conservação dos recursos naturais da região há mais de uma década. No Apuí, desde 2014 são desenvolvidas atividades de combate ao desmatamento, com foco no aumento da governança dos atores sociais locais – ou seja, promovendo o empoderamento e capacitação de servidores, profissionais liberais e representantes de organizações da sociedade civil – e a recuperação de área degradadas.

 Os cursos serão realizados com o apoio das seguintes instituições: o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (IDAM); o Sindicato dos Produtores Rurais do Sul do Amazonas (Sindisul); e o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam).

Mario Dantas