Panfletos voltam a sujar ruas de Manaus

By -

limpeza-panfletos-ruas-manaus-1Neste domingo, 13, Manaus amanheceu com ruas tomadas por panfletos com mensagens políticas e apócrifas. Nas ruas do Centro Histórico da capital amazonense, os informativos foram espalhados na área da Matriz, nas Avenidas Epaminondas e Eduardo Ribeiro, além de ruas adjacentes. Entretanto, a sujeira também foi registrada em outros pontos da cidade.

Segundo o secretário municipal de Limpeza Urbana, Paulo Farias, os agentes de limpeza estão nas ruas desde cedo. Além da área central, os servidores também foram deslocados para outros pontos, como a Avenida Torquato Tapajós, Complexo Turístico Ponta Negra, entorno do Terminal de Integração 4 (T4) e ruas do Manoa.

limpeza-panfletos-ruas-manaus-colagem-1“Quando reunimos as equipes de plantão pra atender essas áreas, deixamos de fazer serviços que já estavam pré-programados. Além disso, foi preciso, inclusive, chamar trabalhadores que estavam de folga. Então é um prejuízo grande para a prefeitura por conta de um ato ambiental criminoso”, avaliou Farias, informando que um efetivo de 200 garis foi mobilizado para essa operação.

O secretário da Semulsp destacou ainda que as equipes continuam buscando locais que possam ter sido alvos desse ato. “Já estamos também verificando os meios legais para identificar quem fez isso, que sem dúvida tem um propósito político. Imagine que temos dois cruzeiros chegando com turistas e poderíamos estar com as equipes mantendo a cidade limpa pra recepcioná-los”, lamentou.

limpeza-panfletos-ruas-manaus-colagem-2A Prefeitura de Manaus pretende acionar a polícia para utilizar câmeras do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), na tentativa de identificar os responsáveis, que serão enquadrados no Código de Postura do Município e responderão por danos ambientais.

Limpeza de ‘santinhos’

Durante a votação nas últimas eleições, em 2014, em que a cidade também foi tomada por folhetos e os conhecidos ‘santinhos’ políticos, o trabalho de limpeza durou mais quatro dias, após o domingo de votação do primeiro turno.

Conforme dados da Semulsp, aproximadamente 74 toneladas de lixo eleitoral foram recolhidos no entorno dos 408 locais de votação da cidade. O trabalho, que mobilizou mais de 300 garis diuturnamente, custou mais de R$ 207 milhões aos cofres públicos municipais.

Roberto Brasil