Pais de bebê que morreu em hospital serão responsabilizados pelo crime de maus-tratos

By -

Lara Caroline morreu no Pronto-Socorro da Criança da Zona Leste, o Joãozinho (Foto: Carla Albuquerque)

A adolescente de 16 anos e o pai da bebê Lara Caroline Rodrigues da Costa, de 4 meses, que morreu no último sábado (1º), no Pronto-Socorro da Criança da zona leste, o ‘Joãozinho’, serão responsabilizados pela Polícia Civil pelo crime de maus-tratos. As informações foram divulgadas, nesta segunda-feira (3), pela delegada da Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA), Juliana Tuma, que aguarda o laudo do Instituto Médico Legal (IML) para saber o que motivou a morte da criança.

A delegada explicou que ficou comprovado que a criança sofria maus-tratos, mas não foi o que causou diretamente a morte da menina. De acordo com ela, desde os dois primeiros meses de vida, que Lara não recebia os devidos cuidados nem da mãe nem do pai. “Na verdade, a menina vivia de um lado para o outro. Nossas investigações indicam que a única que ainda tinha algum cuidado com a criança era a avó paterna”, disse Tuma.

De acordo com a delegada, o pai, que já tinha outro relacionamento, não tomava conta da filha, que era deixada pela mãe adolescente, na casa da avó paterna. “O que identificamos era que ele realmente não queria saber da filha”, falou a delegada. A menina passou mal enquanto estava sob os cuidados do pai.

Situação semelhante ocorria quando a menina estava aos cuidados da mãe. De acordo com a delegada, após se internada, os médicos encontraram crostas na cabeça da criança causadas por falta de higiene adequada. “O que observamos era que nenhum dos dois queria saber da menina”, disse.

Em decorrência dos maus-tratos, a DEPCA vai enviar o procedimento contra a mãe para a Delegacia Especializada em Atos Infracionais (DEAAI) solicitando a responsabilização da jovem contra a criança. Já o pai será responsabilizado pelo mesmo crime na DEPCA.

Causas da morte

A delegada informou que o Instituto Médico Legal (IML) ainda não expediu o laudo que comprove o que causou a morte da menina Lara. No entanto, de acordo com Tuma, os médicos encontraram durante os procedimentos coágulos de sangue na cabeça da criança. “Agora o que queremos saber o que poderia ter causado isso”, disse.

O pai, a madrasta, a avó paterna, a mãe e outros familiares tanto paternos quanto maternos já foram ouvidos na delegacia. “O pai não esta foragido. Nós já o ouvimos ainda enquanto a filha dele estava viva porque queríamos saber em quais circunstancias ela foi hospitalizada”, concluiu.

No último domingo (2), a família materna de Lara chegou a acusar o pai de ter sido o responsável pela morte da menina, uma vez que Lara estava na casa do homem quando passou mal e foi hospitalizada.

O caso 

A bebê Lara Caroline Rodrigues da Costa, de quatro meses, morreu, no último sábado, no  Joãozinho. Consta nos laudos preliminares do Instituto Médico Legal (IML) que a menina apresentava lesões encefálicas.

A bisavó da criança, a aposentada Valdina Rodrigues, 60, informou que a bisneta estava aos cuidados do pai, identificado, segundo Boletim de Ocorrência (BO) registrado na Depca, como Janderson Alfaia. De acordo com ela, a menina estava com o homem desde o último dia 17, mas foi encontrada hospitalizada no dia 22.

Valdina disse que a família só ficou sabendo que a criança estava no hospital quando familiares do pai informaram a uma tia.

(Com D24AM)

Roberto Brasil