Órgãos ambientais apresentam dados de queimadas ao Prefeito Artur Neto

By -
"As queimadas no interior, aliadas ao fenômeno El Niño, deixam Manaus sensíveis a tudo isso", afirmou Artur Neto

“As queimadas no interior, aliadas ao fenômeno El Niño, deixam Manaus sensível a tudo isso”, afirmou Artur Neto

O prefeito Artur Virgílio Neto reuniu-se  com representantes de órgãos do meio ambiente municipais, estaduais e federais para avaliar dados e discutir estratégias que possam intensificar o combate às queimadas no Estado. Há quase uma semana Manaus vem sofrendo com o excesso de fumaça na atmosfera, o que tem despertado atenção total das autoridades por conta dos efeitos na saúde da população. A reunião aconteceu no Palácio Rio Branco, no Centro da cidade.

Estiveram presentes a diretora técnica do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Arthemisa do Valle, o superintendente do Instituto Brasileiro Meio Ambiente Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Mário Lúcio Reis, o secretário estadual de meio ambiente, Ademir Stroski, o titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Itamar Mar, e a secretária municipal de Educação,Kátia Helena Schweickardt.

Durante a reunião foi apresentado o boletim de Monitoramento de Focos de Calor, gerado operacionalmente pela equipe de monitoramento de queimadas por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Os dados, coletados entre 30 de setembro e 5 de outubro deste ano mostram 5.899 focos de queimada no Amazonas e que a cidade campeã deste índice é Careiro Castanho, enquanto que Manaus aparece na 32a posição do histograma. Os números podem ser obtidos em http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas.

Quando são avaliados dados de um período maior, Manaus fica ainda mais atrás no número de focos. Entre 1o de setembro e 5 de outubro foram registrados 38.510 pontos de queimadas, sendo que a capital amazonense aparece na 35a posição, enquanto que o município de Apuí está no topo da lista, seguido Lábrea, Manicoré, Boca do Acre e Careiro. Todos estes municípios, aliados ao vento, têm contribuído para causar o fenômeno que deixa Manaus enfumaçada.

artur-reuniao-orgaos-ambientais-2“Não podemos nos eximir das responsabilidades, mas fica claro que as queimadas fora de Manaus, principalmente, têm causado esse problema que a nossa capital vem sofrendo. Por isso convoquei essa reunião, para procurarmos entender melhor essa situação e buscar soluções. As queimadas no interior, aliadas ao fenômeno El Niño, deixam Manaus sensíveis a tudo isso. Temos que nos unir para combater esta situação. Somente juntos, poder público e população, conseguiremos mudar esta realidade” , disse o prefeito.

O secretario da Semmas, Itamar Mar, explicou  que a Prefeitura de Manaus monitora as queimadas na capital e que o trabalho que é feito para alertar sobre o perigo da prática está intensificado, principalmente nesta época, em que, historicamente, os focos aumentam em todas as zonas da cidade. A queima do lixo doméstico lidera as denúncias recebidas pela Semmas. De acordo com a Diretoria de Fiscalização, de janeiro a setembro deste ano, foram recebidas 231 denúncias, que geraram 56 autos de notificações, apenas com caráter de orientação. Destas, 84 foram registradas apenas nos meses de agosto e setembro.

“Fazemos trabalhos junto ao grupo de gestão integrada para combater as queimadas em Manaus. Embora esse problema venha das queimadas no entorno do município, estamos intensificando nosso trabalho de sensibilização para que a população se conscientize cada vez mais. Infelizmente as pessoas ainda queimam muito lixo em casa”, disse Itamar Mar.

Interior – O problema se agrava ainda mais no interior. Segundo o superintendente do Ibama, Mário Lúcio Reis, é necessário que também se trabalhe uma mudança de cultura nos municípios, principalmente em áreas de pecuária intensiva. “O Careiro Castanho, seguido de Careiro da Várzea e Autazes são os que mais representam esse número elevado de queimadas. É preciso mudar isso.  O pecuarista ainda pensa que o fogo contribui para sua atividade, causando um problema de saúde pública”, assinalou.

Já o Ipaam informou que tem intensificado as operações de fiscalização nos municípios de Humaitá, Lábrea, Manicoré e Apuí. A ação conta com o apoio do Batalhão Ambiental, Ibama e Polícia Militar.

A população também deve atuar na fiscalização das queimadas e denunciar os focos aos órgãos competentes, como a Semmas – 08000922000 ou semmas.manaus.am.gov.br – Defesa Civil – 199 – e Corpo de Bombeiros – 193.

Roberto Brasil